Fenômeno irrepetível do pop, Madonna conseguiu manter a relevância ao longo de toda a carreira.

Mesmo com toda a superpopulação de artistas pop, extenso conteúdo facilmente disponível e uma ferrenha disputa por atenção no showbiz, é inegável dizer que ainda vivemos a era de Madonna. Aos 60 anos, a cantora americana consegue um feito inédito: se manter relevante ao longo de quatro décadas e ainda ser influente no meio em que atua.

Esse fenômeno é inédito e, arriscamos dizer, irrepetível. No auge entre os anos 1980 e 90, Madonna conseguiu se reinventar na virada do século e entrou nos anos 2000 com discos que estavam fora da caixa para a época no pop e ainda instigavam uma mudança na sonoridade que tinha construído para si até então. Ray Of Light e Music até hoje são tidos como trabalhos ousados esteticamente.

Mas se nos anos 2010 não encontramos mais a Madonna hitmaker, vimos a fase das mega-turnês, alguns delas com passagem pelo Brasil, que reforçaram seu poder e relevância. A geração Z, que nasceu no final dos anos 1990 e que, portanto, não viu o crescimento de Madonna como um ícone global, se tornaram seus fãs mais jovens. Isso é raríssimo de acontecer no universo pop.

Madonna desafiou o culto à juventude que a música pop – e o capitalismo como um todo – sempre colocou como paradigma. Mesmo já tendo deixado seu legado para uma profusão de novas artistas, Madonna segue relevante por se mostrar atuante e presente na mídia, desafiando expectativas para alguém de sua idade. Em um mundo que envelhecer é um pecado, ela parece mostrar que está longe de se esmaecer.

Em um discurso em 2016, quando recebeu um prêmio da Billboard, a cantora fez duras críticas à indústria e à sociedade como um todo. “Não envelheça. Porque envelhecer é um pecado. Você será criticada, vilipendiada e, definitivamente, não tocarão a sua música na rádio”.

Sempre controversa, Madonna sempre se posicionou em assuntos de interesse público, mas onde mais se destacou foi no debate sobre o corpo da mulher. Sem falar que se mostrou ao lado da comunidade LGBTQ em uma época em que falar de qualquer uma das letrinhas da sigla era sempre um tabu.

Ela esteve presente na Marcha das Mulheres que aconteceu no dia seguinte à posse de Donald Trump na presidência dos EUA e disse que as mulheres não aceitariam mais nenhuma “era de tirania”.

Hoje Madonna vive em Lisboa com sua família, mas já prepara nova turnê e discos, segundo fontes ouvidas pela Billboard.

Para comemorar os 60 anos do ícone selecionamos as 60 melhores músicas de Madonna. Tentamos abranger todas as fases, mas também incluímos algumas faixas mais obscuras. A ideia foi tentar mostrar a versatilidade da cantora em seus 40 anos de trabalho. O que ela fez de melhor como artista foi misturar referências, se apropriar das bases do cancioneiro pop, se aproximar das raízes do dance e, claro, conferir uma personalidade própria.

Deixem nos comentários o que acharam da lista? Foi justo esse top 60? E qual disco foi mais preterido?

A playlist do Spotify está no final do post.

60 – “4 Minutes” (Celebration, 2009)
59 – Living For Love (Rebel Heart, 2015)
58 – Don’t Cry For Me Argentina (Evita, 1995)
57 – Sky Fits Heaven (Ray Of Light, 1998)
56 – Bye Bye Baby (Erotica, 1992)
55 – Hollywood (American Life, 2003)
54 – Shanti/Ashtangi (Ray Of Light, 1998)
53 – Beautiful Stranger (Austin Power Soundtrack, 1999)
52 – Get Together (Confessions on a Dance Floor, 2005)
51 – Nothing Really Matters (Ray Of Light, 1998)
50 – Give It 2 Me (Hard Candy, 2008)
49 – Dress You Up (Like a Virgin, 1984)
48 – I Want You (com Massive Attack) (w/ Massive Attack, Inner City Blues: The Music of Marvin Gaye, 1995)
47 – Runaway Lover (Music, 2000)
46 – Cherish (Like a Prayer, 1989)
45 – Devil Wouldn’t Recognize You (Hard Candy, 2008)
44 – Swim (Ray Of Light, 1998)
43 – Bad Girl (Erotica, 1992)
42 – Superstar (MDNA, 2012)
41 – Survival (Bedtime Stories, 1994)
40 – Everybody (Madonna, 1983)
39 – Impressive Instant (Music, 2000)
38 – Amazing (Music, 2000)
37 – The Power of Good-Bye (Ray Of Light, 1998)
36 – Something To Remember (I’m Breathless, 1990)
35 – Angel (Like a Virgin, 1984)
34 – This Used To Be My Playground (A League Of Their Own, 1992)
33 – Jump (Confessions on a Dance Floor, 2005)
32 – Lucky Star (Madonna, 1983)
31 – Justify My Love (The Immaculate Collection, 1990)
30 – Burning Up (Madonna, 1983)
29 – Til Death Do Us Part (Like a Prayer, 1989)
28 – Bordeline (Madonna, 1983)
27 – Secret (Bedtime Story, 1994)
26 – “Who’s That Girl” (Who’s That Girl Soundtrack, 1987)
25 – Human Nature (Bedtime Stories, 1994)
24 – Rain (Erotica, 1992)
23 – Sorry (Confessions on a Dance Floor, 2005)
22 – Papa Don’t Preach (True Blue, 1986)
21 – Crazy For You (Vision Quest, 1985)
20 – Material Girl (Like a Virgin, 1984)
19 – Don’t Tell Me (Music, 2000)
18 – Frozen (Ray Of Light, 1998)
17 – Live To Tell (True Blue, 1986)
16 – Take a Bow (Bedtime Stories, 1994)
15 – Hung Up (Confessions on a Dance Floor, 2005)
14 – Holiday (Madonna, 1983)
13 – Erotica (Erotica, 1992)
12 – Open Your Heart (True Blue, 1986)
11- Like a Virgin (Like a Virgin, 1984)
10 – Express Yourself (Like a Prayer, 1989)
09 – Music (Music, 2000)
08 – Deeper and Deeper (Erotica, 1992)
07 – What It Feels Like For A Girl (Music, 2000)
06 – La Isla Bonita (True Blue, 1986)
05 – Drowned World/Substitute For Love (Ray Of Light, 1998)
04 – Vogue (I’m Breathless, 1990)
03 – Into The Groove (Desperately Seeking Susan, 1985)
02 – Ray Of Light (Ray Of Light, 1998)
01 – Like A Prayer (1989)

Sem mais artigos