Nem o mestre do neologismo e do romance brasileiro no século 20 Guimarães Rosa, cujo centenário de vida é celebrado este mês, vem atraindo tanto zum-zum-zum quanto ele. Dois mil e oito é mesmo o “Ano Machado de Assis”, em razão dos cem anos do aniversário de sua morte, que serão completados em setembro.

E, para engrossar a série de eventos em alusão à efeméride, a sexta edição da Festa Literária Internacional de Paraty (Flip) reserva parte de sua grade para lançar luz sobre a obra do “Bruxo do Cosme Velho”. Duas mesas devem esquentar o debate em torno de aspectos novos da narrativa machadiana.

A festa será aberta no dia 2 de julho com uma conferência do crítico literário e professor Roberto Schwarz, um dos maiores estudiosos da obra e da vida de Machado de Assis. Schwarz irá falar sobre uma das obras mais conhecidas, Dom Casmurro, e como o estilo do romancista se pauta por pré-julgamentos sociais incutidos na mente do leitor.

No domingo (dia 6), último dia do evento, será realizada a mesa intitulada “Papéis avulsos”, com a participação do embaixador, crítico e tradutor Sérgio Paulo Rouanet, a pesquisadora Flora Süssekind e o cineasta Luiz Fernando Carvalho. As homenagens seguirão ao longo das atividades com dramatizações, leituras de peças e sessões de cinema.

Ingressos – A Flip abriu ontem a bilheteria para acesso à programação de palestras e mesas-redondas. Os ingressos (limitados a duas entradas por pessoa por evento) podem ser adquiridos pelo site, por telefone (011-4003-1212) ou nos pontos de venda da Ingresso Rápido. Os valores variam entre R$ 8 (telão) e R$ 25 (tenda dos escritores). Mais informações na página oficial do evento.

Sem mais artigos