ALDEIAS DE WOOD
Badalado autor cria contos urbanos onde cidades americanas servem de cenário e sentido
Por Paulo Floro

LOCAL
Briand Wood (texto) e Ryan Kelly (arte)
[Devir, 200 págs, R$ 32,90]

Brian Wood, um dos mais comentados autores dos quadrinhos norte-americanos pensou em uma HQ onde a cidade servisse não só de cenário, mas também desse significado às histórias. É nesta premissa que se baseia a HQ Local, que a Devir lançou no final de junho. Este primeiro volume traz as seis primeiras edições que tem como ponto narrativo pequenas cidades dos EUA.

Ao lado do desenhista Ryan Kelly, Wood mostra a peregrinação da jovem Megan McKeenan, em histórias fechadas que falam de temas como relacionamento, mudança e até mesmo fim de carreira. Local cria pequenos contos utilizando referências da cidade retratada. Megan é a única personagen constante, ora aparecendo como protagonista, ora fazendo pontas. A mais interessante mostra a briga entre dois irmãos, onde ela é feita refém em uma lanchonete. A trama tem leitura tensa e bons diálogos, mas não é essa a constante do álbum.

Há outras histórias pouco interessantes, mas todas funcionam bem para mostrar as dificuldades enfrentadas por Megan para começar uma nova vida. Wood se mostrou um bom articulador ao pensar maneiras criativas de mostrar situações onde os personagens estão sempre iniciando novos ciclos. Em alguns, como a história que abre o livro existe um estopim traumático, em outros, como a história da banda Theories and Defenses, existe um sentimento de frustração presente em cada balão.

Em todas elas, Wood experimentou técnicas narrativas para contar a história. Não à toa é um dos escritores mais badalados dos quadrinhos norte-americanos. Por aqui, é possível lê-lo na revista mensal Pixel Magazine, com outra série de sucesso, DMZ. A Devir já informou que lançará o segundo volume da série Local, que mostra 12 anos na vida de Megan.

A Devir lança uma edição bem caprichada, com uma espécie de editorial dos autores ao final de cada capítulo. É uma forma de comentar a história, mas ao longo do livro, a leitura se torna cansativa. O editor Luigi Del Manto, declarado fã da série ainda incluiu esboços e estudos de capa do desenhista Ryan Kelly. O segundo volume, com a personagem mais adulta proporciona a Wood mais invencionices no roteiro. Entre acertos e erros, seu principal mérito é ser um autor corajoso.

NOTA: 7,5

Sem mais artigos