UM NÁUFRAGO QUE RI
Rogério Menezes
[Record, R$ 49,90, 352 páginas]

Brasiliense de carteirinha, Rogério Menezes é autor e de dois romances (“Meu Nome É Gal” e “Três Elefantes na Ópera”) e uma coletânea de crônicas (“A Solidão Vai Acabar Com Ela”) e enquanto jornalista atuou, por muitos anos, como cronista do Correio Braziliense. Nessa sua nova publicação ele nos conta a história de Ravic, um gato com grande senso crítico e que observa, munido de todo seu carisma, a decadência de seu dono, um escritor meio frustrado e jornalista desempregado em meio a uma grande crise de meia-idade. Nessa história Ravic é um felino sofisticado, que nunca comeu passarinhos e é influenciado por diversos autores, como o americano Philip Roth. A narrativa transita pelo universo do pop com desenvoltura e bom humor, com fortes referências às histórias em quadrinhos e escritores do quilate de Henry James. [Fernando de Albuquerque]

COMÉDIAS BRASILEIRAS DE VERÃO
Luiz Fernando Veríssimo
[Objetiva, R$ 32,90, 192 páginas]

Filho do consagrado escritor Érico Veríssimo, Luiz Fernando está no rol dos mais bem sucedidos jornalistas e cronistas brasileiros. Nascido em Porto Alegre ele é autor de inúmeros livros entre crônicas, contos e romances tal como o famoso “Todas as Histórias do Analista de Bagé”. Nessa nova publicação ele reúne uma série de crônicas curtas sobre separações, obsessões e a vida em bando. Nesse livro ele desenvolve textos realmente curtos e que trazem uma técnica de concisão ainda não praticada pela maioria dos autores. Grande exemplo é “O Chiuaua”, que descreve a técnica de paquera de um homem e um caso de amor fracassado em apenas meia página. [Fernando de Albuquerque]

O GAROTO DO CONVÉS
John Boyne
[Companhia das Letras, R$ 44,50, 494 páginas]

Nascido em 1971, John Boyne é autor de romances que já foram traduzidos em mais de 30 idiomas. “O Menino do Pijama Listrado” é o romance mais conhecido do autor que teve mais de 5 milhões de cópias vendidas e se tornou filme em 2008. Nessa sua nova publicação ele traz a rebelião da tripulação de um navio de guerra britânico, em 1789, que levou o capitão e um grupo de marinheiros a enfrentar 48 horas em um bote em alto-mar. Apesar do enredo ser baseado em uma história real, o romance de Boyne presa pelo ponto de vista fictício de um garoto que embarca após ser detido pela polícia. [Fernando de Albuquerque]

Sem mais artigos