MARILYN ÚLTIMAS SESSÕES
Michel Schneider
[Alfaguara, 432 páginas, R$ 53,90]

O livro reconta ao leitor, em formato de romance, o relacionamento da atriz americana com o seu último psicanalista, Ralph Greenson entre janeiro de 1960 – início do seu tratamento – e 1962, ano em que Marilyn comete suicídio. O escritor reconstitui a fragilidade da diva e dos equívocos cometidos por Greenson durante o tratamento dela bem como nos dá uma panorâmica dos bastidores escondidos de Hollywood e seus estúdios. Abordando ainda o tormento que circunda o ator durante a produção de um filme e as pressões ocasionadas pelo estrelato. [OG]
.

CAOS CALMO
Sandro Veronesi
[Rocco, 416 páginas, R$ 48]

Sandro Veronesi, nasceu em 1959, e já ganhou o prêmio Strega com esse românce que será adaptado ao cinema pelo cineasta Nano Moretti. No livro ele conta a história do executivo que, em férias, perde a mulher e entra em sérias dificuldades, ao lado da filha, de lidar com o luto. Enquanto aguarda ser acometido pela dor já que o personagem é dotado da frieza típica dos homens de negócios, ele aguarda a filha todos os dias em frente a escola e percebe a sensibilidade da vida nas confissões alheias que ouve dos transeuntes e outros pais. O livro é um relato-diagnóstico de uma das maiores crises de comportamento da sociedade: a insensibilização dos indivíduos. [OG]

FORA DE ÓRBITA
Woody Allen
[Agir, 216 páginas, R$ 34,90]

Woody Allen, nascido em 1935, escreveu, entre outros livros, de Cuca Fundida e Que Loucura!. Nessa nova publicação ele reúne uma coletânea de crônicas e ensaios – alguns escolhidos pela revista New Yorker – que tratam de temas contemporâneos sob a ótica nonsense e da galhofa que tanto acometem Allen. O nome de alguns dos persnagens dá a tônica da obra como em Madame Endorfina, Chupeta Fraldão e Jasper Polpadura. O narrador das histórias tem a mesma essência dos tipos neuróticos e problemáticos que são criados por Allen no cinema que se sobressai na literatura pela mesma inventividade cinematográfica. [OG]

Sem mais artigos