LIVRO DAS PERGUNTAS
Pablo Neruda (poemas) e Isidro Ferrer (ilustrações)
Tradução Ferreira Gullar
[Cosac Naify, 182 págs., R$ 45]

Seguindo a linha de prensar edições luxuosas e bem acabadas de clássicos “esquecidos”, a Cosac Naify resgata essa pequena fagulha póstuma da bibliografia de Pablo Neruda. Lançado originalmente em 1974 (um ano após sua morte), Livro das perguntas desnuda o estro poético do poeta chileno no que há de mais metafísico. Em uma seqüência de 200 indagações, Neruda se pergunta sobre o que são a vida e a morte, por que existem os animais, do que é feita a natureza, o significado das coisas e sua própria existência, num estado de imersão que antevia sua transcendência material. À genialidade e melancolia do poeta marinheiro, somam-se a tradução irrepreensível de Ferreira Gullar e as sutis reproduções (colagens, instalações) de Isidro Ferrer, que captam o instante metafórico das elucubrações de um homem que não se abstinha de interrogar o mundo. Um livro delicado e belo. [RD]

O PODER DAS BARRICADAS – UMA AUTOBIOGRAFIA DOS ANOS 60
Tariq Ali (trad. Beatriz Medina)
[Boitempo, 408 págs., R$ 68]

Ainda na esteira das comemorações dos 40 anos do Maio de 68, uma das publicações, embora não inédita, merece ser consultada. Escrito pelo reverenciado autor anglo-paquistanês Tariq Ali, O poder das barricadas – uma autobiografia dos anos 60 foi publicado em 1987 no exterior, mas nunca havia ultrapassado a fronteira brasileira. Neste interessante relato sob ótica subjetiva, o jornalista, historiador e ativista político de origem esquerdista traça um panorama festivo dos acontecimentos de Maio, dos “tempos de esperança”, marcados pela utopia e sentimentos de mudança e riqueza cultural. Personagem das manifestações, Tariq conta como foram as agitações e inflamações em cidades como Hanói, La Paz, além, claro, de Paris e Praga. Esta edição é baseada na edição de 2005, revisada e ampliada pelo autor. Contém, como extra, uma entrevista feita por Tariq com John Lennon e Yoko Ono, em 1971. [RD]

O MAGO
Fernando Morais
[Planeta, 632 págs., R$ 60]

Acurado pesquisador, o jornalista Fernando Morais atiça novamente as platéias com mais uma biografia de revelações, no mínimo, indelicadas. Conhecido por farejar os cantos recônditos das personalidades e fatos que aborda (Chatô – Rei do Brasil e Olga), o biógrafo volta a causar polêmica com este livro sobre a vida do mago da literatura Paulo Coelho. Fruto de uma extensa pesquisa de 2 anos e meio – entre viagens ao Egito, República Tcheca e Espanha, além de dezenas de entrevistas –, a obra esquadrinha a história de um dos mais bem-sucedidos escritores brasileiros no exterior (com mais de 100 milhões de livros vendidos), da fase hippie-trash de toxicômano e passagens por manicômios, passando pela parceria com o maluco beleza Raul Seixas à eleição ao posto de imortal da ABL, em 2002. Num dos pontos polêmicos, o livro revela que Paulo Coelho já teve três relações homossexuais, mas nega que seja gay. Um apanhado controverso e polifônico, como reza uma boa biografia. [RD]

Sem mais artigos