Hoje.

Nascemos Lumo Coletivo. Como a definição clássica já diz, abrangemos muitas coisas e pessoas. Bandas independentes, produtores, roadies, iluminadores, designers, publicitários, engenheiros de som, artistas plásticos, jornalistas, fotógrafos e outros tantos nos formam atualmente, em funções e atuações distintas e bem definidas.

O nome Lumo significa, em Esperanto, luz. A escolha vem da desejo de trazer mais foco à produção cultural local, baseando o trabalho na organização participativa de seus integrantes. Calcados nos princípios da economia solidária, somos um centro de criação e fomento artístico, buscando oferecer o conhecimento, os meios de produção, a infra-estrutura e gestão necessários ao desenvolvimento de projetos.

Enxergamos a cultura como mais que um instrumento formador de cenas, mas, principalmente, como força para o desenvolvimento de uma sociedade. Agregar é a palavra. Sabe aquela historinha dos caranguejos recifenses que puxam pra baixo a pata de quem está subindo? A idéia agora é mudar essa caricatura, fazendo com que exista a força coletiva pra empurrar pra cima, e depois esperar ser também puxado pra fora da toca.

Falando em toca, temos a nossa. Uma coberturazinha no bairro de Setúbal onde nos reunimos pra colocar idéias em prática, debater, pensar, quebrar a cabeça e crescer, não só como artistas ou quaisquer outros profissionais, mas como indivíduos. Como sabemos ser muito melhor explicar – e entender – tudo isso ao vivo, fica o convite para você chegar aqui bater um papo e conhecer nosso QG, com um céu enorme e a vista do pôr e nascer do sol. Venha quando quiser e puder, afinal trabalhamos e renascemos diariamente. Igualzinho ao rei-luz.

LUMO Coletivo

Sem mais artigos