ladama

Chega ao Brasil o projeto LADAMA, que tem como proposta engajar as mulheres em suas respectivas comunidades no processo de fazer música, compondo e produzindo áudio. Formado por cinco musicistas de várias partes da América, a iniciativa reúne oficinas de criação e apresentações abertas ao público.

As apresentações do LADAMA no Brasil serão realizadas no Recife. No repertório, as meninas prometem um encontro cultural interamericano, apresentando entre composições próprias e o cancioneiro popular expressivo de cada um de seus países, um passeio por ritmos como jazz, folk, frevo, curralao, cumbia e pop.O grupo é a atração da prévia do bloco Essa Fada, que acontece na quarta-feira, 3 de fevereiro, no Garage Food Truck.

O grupo aborda a desigualdade de gênero e a representação desigual das mulheres em todos os aspectos da educação musical, da indústria e dos negócios. A ideia é encorajar as mulheres a expressarem a sua humanidade através do fortalecimento da comunidade pela música.

O LADAMA vai viajar pelo Brasil, Colômbia, Venezuela e Estados Unidos, de fevereiro a maio deste ano, onde realizará workshops e apresentações abertas ao público.

LADAMA 001

A história do LADAMA

O LADAMA foi criado para dar continuidade ao profícuo encontro das integrantes no festival OneBeat, nos Estados Unidos, em 2014. De lá, se uniram para desenvolver ideias sobre música e comunidade. Com o intuito de abordar a desigualdade de gênero e a representação desigual das mulheres em todos os aspectos da educação musical, da indústria e dos negócios, elas realizarão na turnê oficinas de criação e apresentações abertas ao público, encorajando as pessoas (principalmente mulheres e jovens) a se expressarem através do fortalecimento da comunidade através da música.

Em maio, as meninas viajam para Nova Iorque, nos Estados Unidos, para uma residência como parte de um programa do National Sawdust, em parceria com o Found Sound Nation. Para complementar os custos, LADAMA disponibilizaram uma campanha de financiamento coletivo. Quem quiser contribuir, basta entrar no site.

Sem mais artigos