EXPLOSÃO DE NEÓN
O Klaxons é a cabeça da New Rave. Mas será que é apenas isso?
por Paulo Floro

klaxons1lt6.jpg

Como num ciclo vicioso aqui estamos nós de novo, dissecando um hype. Começou no ano passado quando jornalistas acharam ser a coisa mais genial do mundo colocar sirenes e neon verde-limão no rock. O que acontece é que quando se trata de um hype, o primeiro pensamento é atirar e depois perguntar, ou no caso, ouvir. Descontados os exageros por parte da crítica, sobretudo a inglesa, o Klaxons lançou ótimas músicas desde que surgiram em abril de 2006 com o single Gravity´s Rainbow; “Atlantis To Interzone”, “The Bouncer” e recentemente “Golden Skans”. Eles são a ponta-de-lança da chamada New Rave. Mas o que é isso?A New Rave, que neste começo de 2007 já caduca quase um ano, é um termo criado pelo fundador da Angular Records (que lançou o primeiro single do Klaxons) Joe Daniel, para designar o som de bandas que misturam rock com eletrônica e que fazem referência às festas que rolavam no fim dos anos 1980, início dos 90, regradas à ecstasy e eletrônica. Na prática designa toda banda que misture no caldo sonoro sons de sirene, assovios, apitos, assumindo uma atitude descompromissada, uma idéia de bagunça. Esta nova onda ganhou forma quando o semanário inglês NME adotou o termo e colocou na capa o Klaxons com a seguinte frase dita pelo líder da banda Jamie Reynolds: “Este país precisa de nós”. Sobretudo um movimento estético, a new rave se articula de diversas formas pelo mundo pop, levando a onda às passarelas, enquanto a banda ShitDisco organiza festas gratuitas para promover o som. Entre os modernos a cor do momento é o verde-limão, o cor-de-rosa, as estampas estouradas, malucas, o neón.

Na correria, toda banda se torna new-rave. Quase todas têm em comum misturar rock com eletrônico, fazendo um quase disco-punk, sem se preocupar muito com o resultado. Pode ter guitarra e pode não ter. Pode ser dançante ou não. Mas tem que ter exagero, tem que ter apelo visual. Para muitos, o que chamam de new-rave não tem nada da característica “raver”. Está mais para um dance-punk, por isso muitas publicações estão abolindo o termo que passa a ser chamado de alt-disco. Entre as bandas enquadradas como new-rave estão o Hadouken!, Shitdisco, Boys Noize, Digitalism, The Warcats, Simian Mobile Disco, The Presets, Vitalic, Crystal Castles, Does It Offend You, Yeah?, Holy Fuck, Metronomy, Goose, Trashbastard, New Young Pony Club, Shy Child, Revl9n e To My Boy. Isto para um movimento de meses, prova que a pressa em formar um movimento consistente é grande. O que acaba gerando críticas de que alguém está forçando a barra. A falta de clareza do movimento colocou até os brasileiros CSS e Bonde do Role no meio da onda.

AH, SIM, OS KLAXONS

klaxons3vw4.jpg
Eles são a New Rave! Imagine se não fosse.

KLAXONS
Myths Of The Near Future
[Polydor, 2007]

mythsofthenearfuturesa81.jpgEm abril de 2006, o Klaxons lançou o single Gravity´s Rainbow em apenas 500 cópias feitas pela própria banda. Lançado pela Angular Records, o disco de 7” chegou na redação da New Music Express que escolheu a banda como o novo hype do ano de 2006. Como é costume da revista, sem disco lançado, o Klaxons estampava a capa do semanário. Dali em diante, a banda formada em Londres se tornou representante da new rave. A própria NME organizou uma turnê new rave, com Klaxone e ShitDisco e outras bandas. Agora a banda se prepara para excursionar com o CSS, outra banda de muito sucesso repentino nas costas.

Após assinarem com a Polydor Records no fim de 2006, a banda lançou em janeiro o primeiro disco Myths of The Near Future. O grupo que emplacou vários sucessos antes deste disco, repetiu todos no álbum, com exceção de “The Bouncer”, que ficou de fora.

O disco começa de uma maneira nada rave, na verdade, o disco não é nem de longe um disco de música eletrônica. “Two Receivers” é um rockzinho básico com uma base minimalista. É quase deprê. O fã dos Klaxons, Matthew Bellamy, do Muse, adoraria esta música em um de seus b-sides. Tudo muda na faixa seguinte, com a já famosa “Atlantis to Interzone”. Apesar de ter sido gravada novamente para o álbum, ainda conserva o espírito nervoso que a consagrou, as sirenes ainda estão lá e agora ouvimos também sinos ao fundo.

Myths… mostra outras facetas do Klaxons, como o atual single “Golden Skans”, uma balada dançante, como um apelo sensual. “Magick” é outro sucesso instantâneo com a veia punk à mostra, uma ressaca do electro, além de ter um clipe espetacular. Vale (mesmo) a pena vê-lo. Se entende a new-rave inteira naquele clipe.Então Myths Of The Near Future é um álbum pra mostrar que o Klaxons vai bem mais além da faceta (ou rótulo) new rave que deram. O grupo está a um pulo de vários outros estilos, inclusive o indie-rock de um Franz Ferdinand por exemplo. Por sinal, depois do sucesso de várias faixas, a melhor surpresa do disco são as novas “It´s Not Over Yet”, e “As Above, So Below”, esta última uma alternância genial entre a calmaria indie e um eletrônico industrial.

Antes de virar o rosto para toda banda que foi capa da NME ou é tida como a melhor do mundo, é bom descobrir que nestas urgências pop temos bandas como o Klaxons. No fundo ela é só divertida e isso pode ser o bastante.

NOTA:: 9,0

Sem mais artigos