Considerada a “nova” Lily Allen, Kate Nash tenta se sobressair no turbilhão pop atual

Foto: Clare Nash

KATE NASH
Made of Bricks
[Polydor, 2007]

A inglesa Kate Nash, 20 anos, conseguiu um belo feito em sua estréia na música. Seu primeiro single, Foundations, foi a canção mais baixada no Reino Unido no mês de agosto, desbancando a cantora Rihanna e sua pegajosa “Umbrella”. Devido a esse sucesso, o CD Made of Bricks teve seu lançamento antecipado em cinco semanas. A estratégia deu certo e o disco ficou em primeiro lugar na parada britânica. Considerada pela crítica internacional como a “nova” Lily Allen, a cantora mostra em seu primeiro trabalho estar no mesmo patamar da maior parte dos artistas que são revelados quase que diariamente no pop mundial, ou seja, na média.

De acordo com a cantora, o título do CD, Made of Bricks (Feito de Tijolos) é uma referência a forte ligação que ela tem com sua família, entretanto os relacionamentos amorosos, e suas desventuras, são o tema principal desse disco onde Kate empresta seu carregado sotaque londrino a doze canções. Na dançante “Shit Song”, a melhor música do disco, a cantora segue a mesma linha de suas colegas mais famosas (a própria Lily Allen e Amy Winehouse) e confessa se refugiar no álcool para esquecer as dores do amor. O álbum esquenta com as tolinhas, porém divertidas, “Pumpkin Soup” e “Skeleton Song” – nessa última a voz de Kate lembra em alguns trechos a da Björk. No quesito fossa, ponto positivo para “Birds”, composição que fala sobre como tudo é perfeito no início do namoro.

É impressionante a rapidez com a qual a cena internacional vem lançando novos artistas. As paradas musicais internacionais são ocupadas a cada semana por novos hits e seus responsáveis acabam ganhando status de super stars do dia para a noite. Em meio a toda essa profusão de “talentos”, a impressão que temos é que poucas dessas revelações terão fôlego para emplacar mais de um sucesso. Kate Nash começou bem, mas ainda está, digamos, em fase de estágio probatório. [Gilberto Tenório]

NOTA: 7,0

Leia Mais
Crítica: Lily Allen “Allright, Still”

Sem mais artigos