soma forças com o rapper em EP inspirado na cultura urbana do Rio. O disco traz funk, rap e afrofuturismo em uma proposta totalmente diferente do trabalho dos dois artistas.

O EP lança um olhar singular em temas atuais e une artistas de origens e bagagens completamente distintas.

“Desde o começo, a gente tinha a ideia de tratar cada faixa como uma crônica musical com olhar voltado para o agora. Tudo foi criado no meio de um clima doido que o Brasil está vivendo desde antes das eleições”, conta Jeza da Pedra, primeiro rapper carioca assumidamente gay. Ele não esconde sua admiração por Kassin: “trabalhar com ele é algo que ainda não caiu a ficha pra mim”.

Alexandre Kassin é um dos músicos mais influentes do Brasil, tendo atuado em projetos como Acabou La Tequila, +2 e Artificial. O também produtor e multi-instrumentista já trabalhou com artistas como Caetano Veloso, Jorge Mautner, Los Hermanos e Gal Costa. O EP lançado com Jeza é o primeiro passo da parceria entre os artistas, que trabalham em estúdio em um álbum completo.

“Eu já estava com a ideia de fazer algo com muita percussão, programação e sintetizador. Achava que eu cantando ia soar totalmente errado e queria achar alguém que cantasse em cima delas. Quando ouvi o trabalho do Jeza, pensei na hora que ele poderia ser a pessoa certa para essas faixas. De um jeito diferente, o nosso trabalho dialogava nas letras com senso de humor, por exemplo”, conta Kassin.

Jeza criou sua identidade musical no Complexo da Pedreira em meio a igrejas neopentecostais, bailes funk e rodas de samba. Essa combinação incomum resultou no EP de estreia lançado em 2017, “Pagofunk Iluminati”.

Sem mais artigos