João Lin e Hassan Santos apresentam performance gráfico-sonora Inconsistências, acaso e erro, nesta quarta (26), no IRAQ, no Recife.

O esboço é o mote da performance, que reúne uma parede de esboços, um baixo, uma guitarra, a imagem sobre a imagem, a música sobre a pele fluida do erro e a alma em trânsito entre ruídos, grafismos e silêncios.

A performance envolve uma instalação construída com desenhos dos artistas num ambiente de interação e imersão onde também a música compõe, de forma espontânea e experimental, um discurso  que quer traduzir os sentidos do fazer livre no ato de esboçar. A ação provoca a participação do público instigando-o a uma experiência de troca e co-autoria.

Nesta ação, a performance gráfico-sonora completa um ciclo iniciado em agosto de 2017, quando Lin e Santos, disponibilizaram um painel com rascunhos de desenhos, que o público poderia pegar para si enquanto os dois tocavam, experimentando sons. No lugar do desenho, as pessoas deveriam deixar alguma nota de dinheiro – à sua escolha – sobre a qual escreveram um título para o esboço recolhido. De lá pra cá, Hassan e João desenharam sobre essas notas, criando intervenções imagéticas, que serão disponibilizadas em um novo painel, em Inconsistências, acaso e erro, a fim de estabelecer um novo ciclo de trocas.

De acordo com Lin, a performance tem dois sentidos. “Um é esse de que estaremos expondo os erros da gente, porque o esboço é o lugar onde a gente pode errar. O outro é relacionado ao mercado de arte, que coloca em questão o valor da arte e o valor do dinheiro, que se degenera quando perde o sentido monetário propriamente dito”, explica.

O IRAQ Club fica na  R. do Sossego, 179 – Boa Vista, Recife. A apresentação começa às 21h.

Sem mais artigos