na carona das discussões acerca do uso de photoshop em revistas femininas, tópico passível de ser legislado na frança, a revista marie claire local montou sua edição de abril 100% sans retouches, incluindo a capa.

anúncios, no entanto, foram a exceção – é claro.

o blog ivy mag louva as modelos e os fotógrafos que aceitaram entrar na brincadeira; e garante que existe um enorme prazer em não ser humilhada por imagens photoshopadas, la cellulite, un genou un peu enrobé, un nez pas si parfait, un grain de peau normal.

queria super ver. será que a revista chega ao brasil?

e essa lei, chega?

as leis, como sabemos, são muletas necessárias aos poucos esclarecidos para manter uma ordem mínima – no caso das revistas femnininas, para desmantelar a crescente doença da perfeição física que acomete a mulher média.

a psicóloga susie orbach, uma das heroínas desta coluna, no entanto, trabalha numa frente mais elaborada, que não exclui a moça naturalmente mgra-alta-barbie-doll. para ela, a idéia é

to challenge the limited physical representation of females in contemporary society. age. beauty. size. race. diet. cosmetics. body literacy and you.

em outras palavras, admitir que existe muito mais mulher bonita do que julga ana wintour!

mas você está pronta para isso?

está pronta para relaxar em relação àquele quilo extra, àquela ruga, àquele cabelo branco, àquela celulite, mesmo que as revistas femininas continuem sendo o império do photoshop? ou você precisa que o mercado editorial da moda e da beleza mude para você se permitir?

as mulheres do anybody não dependem de nada nem ninguém: em formato blog, a página afirma gorduchas, idosas, celulitadas, estriadas e até paraplégicas como exemplos de beleza. em outras palavras, e de acordo com mensagem deixada no mural das leitoras:

thin is in – if you have no mind of your own.

beautiful!

Sem mais artigos