A tecnologia dificultou muito as coisas para pessoas como eu. Digo, no sentido de desejar feliz aniversário ao próximo. Antes era só telefonema, não tinha muito o que fazer. Mas agora tem torpedo, e-mail, msn, gtalk, orkut, flog, blog. E as redes sociais não só adicionaram muito mais contatinhos ao seu antigo círculo de amigos como também sempre te lembram dos aniversários de cada um. Céus. Eu tenho que me planejar com dias de antecedência.

Daí fico com a data martelando na minha cabeça. Quarta-feira é aniversário do fulano. Domingo tem manguaça de aniversário da sicrana. Quando tem social de niver é mais tranqüilo, dá para parabenizar na ocasião. Mas freqüentemente furo em cima da hora. E daí não adianta nada.

Acabo sempre dizendo, “estou ligando atrasada mas pensei em você o dia inteiro no dia 12”. E é verdade. Para uma pessoa tão tensa em parabenizar a ponto de não parabenizar, eu passo o dia todo lembrando do sujeito. Acho que lembro tanto que no final não dou parabéns porque parece que fiquei grudada na pessoa.

É claro que poucos devem acreditar mas eu sempre tô falando a verdade. Quando me esqueço mesmo, simplesmente parabenizo depois, peço desculpas e ponto. No momento estou devendo três parabéns – dois dos quais lembrei intensamente na data. Pelo menos eu sempre sou perdoada.

Porque aniversário não é bem um dia. É um período de tempo que compreende dias antes e dias depois do dia D. Eu não levo meu aniversário muito a sério, se lembrarem dele no mês seguinte de repente até vou achar bem mais legal do que no dia. Fica aquela impressão de que a pessoa pensa em você constantemente e se perdeu no tempo. Que é exatamente o que eu sinto quando perco o dia de parabenizar alguém. Ou que nunca lembra de você, mas quando lembra sabe que seu aniversário passou e te deseja coisas boas mesmo assim.

——
[+] Joana Coccarelli é jornalista, autora do blog Narghee-La e idealizadora do Coccarelli.art, coletivo de artistas, blogueiros e escritores. Escreve nesta coluna sobre estética, design e moda.

Sem mais artigos