Não sei se Lily Allen é modelo, atriz ou cantora, mas não é meio humilhante para medalhões tipo Elton John, depois de uma vida glam n´glitter nos palcos, se ver envolvido em cortiço com uma starletzinha que surgiu anteontem?

É a mesma coisa que assistir ao documentário onde Rita Lee gagueja que a Ptty é roqueirona e de imensa expressão para o b.rock atual. Ou o Frejat, em entrevista, tratando o NX Zero – vencedor maior do último prêmio multishow – como um igual. Ou ainda Madonna, ao performar com Britney Spears e entubar a sugestão de que ela seria sua sucessora. Gostando ou não de Rita, Frejat ou Madonna, cabe a pergunta: Será que eles realmente precisam se submeter a uma nova geração de merdinhas para continuar populares?

Que vômito. Como disse Ana Wintour sobre uma possível capa com Britney, “She’s just not a vogue kind of girl“. o repórter da revista completou: “She is not appearing on or in vogue”.
Achei digno.

Final de semana passado eu e Javi debatíamos sobre o que deu na cabeça de Chris Robinson ao contrair núpcias com a Kate Hudson das comédias românticas bobinhas. Sabemos que se casar é diferente de comentar sobre ou performar com, mas mesmo assim. Concluímos que Robinson acreditou demais na personagem Penny Lane, de Quase Famoso – a única realmente suingada da carreira da atriz.

O pessoal da velha guarda podia parar de se sujeitar a esse balaio de gatos.

Hip Horray pro Lobão.

——
[+] Joana Coccarelli é jornalista, autora do blog Narghee-La e idealizadora do Coccarelli.art, coletivo de artistas, blogueiros e escritores. Escreve nesta coluna sobre estética, design e moda.

Sem mais artigos