Kees Hoekert e Grootveld vendendo cannabis na Lowland Weed Company em 1964

.
Como assim não bostejar sobre 1968. Faz quarenta anos, afinal. Hoje não seria como hoje se não fosse aquela doideira toda. Por sua vez, a doideira toda não teria sido doideira alguma sem a massiva influência dos até hoje relativamente desconhecidos Provos de Amsterdam.

Como bons anarquistas que eram, os Provos (corruptela do termo “provokatie”, ou “provocação”) não chegaram a caracterizar um movimento organizado, menos ainda uma ideologia. A intenção desses jovens tresloucados do início dos anos 60 era debochar o mais cinicamente das tradições monárquicas holandesas da Casa Real de Orange e sua protegé, a burguesia consumista – o que, como veremos, conseguiram fazer com o máximo de diversão e ousadia.

Apesar do parentesco, os Provos não queriam mudar o mundo, como seus românticos caçulas hippies, nem intelectualizar suas ações, como fizeram os situacionistas franceses. Estes, que fomentaram as greves estudantis parisienses em maio de 68, tiveram um tête-a-tête um ano antes com os Provos na Holanda. Mas a diferença de atitude entre os dois grupos era clara. A primeira de uma incendiária série de edições da revista “Provo” dizia: “Não podemos convencer as massas, e talvez sequer nos interesse fazer isso. O que podemos esperar deste bando de apáticas, indolentes, tolas baratas? É mais fácil o sol surgir no oeste do que eclodir uma revolução nos Países Baixos (…) O homem médio é um comedor de repolhos, improdutivo, não-criativo, emotivo. Alguém que se diverte fazendo fila nos guichês”. E ainda: “Provo tem consciência de que no final perderá, mas não pode deixar escapar a ocasião de cumprir ao menos uma qüinquagésima e sincera tentativa de provocar a sociedade”.

Foi em 62, com Robert Jasper Grootveld, que a saga começa a tomar um formato mais ou menos definido. Grootveld, um fumante inveterado, decide começar uma hilariante campanha antifumo por Amsterdam, por onde anda totalmente fantasiado de feiticeiro africano, pintando a palavra “câncer” sobre todos os cartazes publicitários de cigarros das ruas. Foi preso algumas vezes, chegando, gratuitamente, às mesmas páginas de jornais que as corporações de tabaco pagam milhões para anunciar. Uma vez solto, usou um casebre velho numa região boêmia para realizar rituais antifumo que atraíam cada vez mais pessoas; mais tarde, transferiria os eventos para a praça Spui que, além de exibir uma estátua presenteada pela Hunter Tobacco Company para a cidade, ficava estrategicamente próxima à maioria das redações dos jornais.

Em 64, no clímax de seus protestos, já considerado um herói na cidade, Grootveld junta-se a Bart Huges para lançar o Marihu Project, um plano para reivindicar a legalização da maconha (afinal consideravam o cigarro uma “droga legalizada”) e tirar um sarro da polícia. Espalharam por Amsterdam centenas de maços pintados à mão com desenhos fluorescentes, contendo baseados feitos com folhas secas catadas dos parques, algas, palha, pedaços de cortiça e também, naturalmente, a boa e velha cannabis. Concomitantemente, fazem circular cartas com as regras do jogo: “Cada um pode fabricar sua Marihu (…) Cada qual pode criar suas próprias regras, ou omiti-las”.

O happening é um sucesso retumbante, em pouco tempo as centrais telefônicas da polícia estavam congestionadas com chamadas anônimas de cidadãos denunciando os vizinhos como usuários de maconha, a maioria delas feitas pelos próprios Provos para causar confusão. Os homens da lei são obrigados a um ritmo de trabalho estressante, chegando a declarar para a imprensa que a situação começava a se tornar “problemática”. Grootveld observa, muito apropriadamente: “Para dar caça a alguns consumidores de erva, uns agentes, notórios consumidores de nicotina, efetuam incursões-surpresa, que depois são propagandeadas na imprensa, mediante artigos escritos por jornalistas amiúde alcoolizados e lidos por um público que, por sua vez, é escravo da televisão ou da nicotina. Quem tem direito de dizer ao outro que não deve consumir uma determinada substância?”

Em 65, reuniões na Spur à toda, a própria família real holandesa dá a deixa para a institucionalização da zorra Provo. A princesa Beatriz decide casar-se com Claus von Amsberg, um diplomata alemão que servira nas fileiras do exército nazista. Sofisticadas manobras políticas foram executadas, nos bastidores, pela Casa Real de Orange para reverter a péssima repercussão inicial que o noivado conseguiu junto à população e à imprensa. Quando o mal-estar parecia contornado, chega às ruas a terceira edição do tablóide Provo, atacando o futuro príncipe por todos os lados. O provotariado os esconde dentro dos jornais matutinos, sobretudo os sensacionalistas conservadores; em resposta, a imprensa começa imediatamente a atacar os Provos, fornecendo a primeira e necessária publicidade à causa anticasamento de nossos heróis. Para consolidar a rixa, na ocasião do desfile de lancha de Beatriz e Claus pelos canais de Amsterdam, alguns Provos lançam cópias da terceira edição da revista, sobre o casal.

CRUZADA REVOLUCIONÁRIA ANTI
A esta altura, tanto o prefeito como o chefe de polícia da cidade ensaiam posturas linha-dura para lidar com os rebeldes. Mesmo assim os embates são sempre bastante frustrantes: ao contrário dos manifestantes clássicos, os Provos não reagem aos cassetetes dos agentes; apenas dispersam-se e voltam a juntar-se alguns quilômetros mais adiante, num claro esquema de manifestação não-violenta – modelo que se tornaria a tônica das passeatas antibélicas e antiditadura que dominaram a Europa e as Américas na década de 60. Diversas edições dos tablóides Provo são apreendidos, seus editores multados por utilizarem fotografias sem licença. Mas tudo isto só servia para disseminar suas mensagens, alavancando sua popularidade.

Então, em pleno boom automobilístico, os rituais antifumo da Spur transformam-se em campanha anticarro. Os Provos iniciam sua cruzada contra os motoristas, “consumidores hidrocarburodependentes mimados pelos traficantes de petróleo”. Recusam-se a participar do sonho-classe-média de adquirir um automóvel, reivindicando o direito de não consumir; chamam a atenção para o tombo que os carros causam à qualidade de vida das cidades, entupindo o espaço público, causando acidentes e envenenando o ar; e, com o Plano da Bicicleta Branca, proclamam um meio de locomoção “socialmente responsável”.

Com os ânimos libertários em ebulição, ainda lançaram o Plano das Mulheres Brancas de liberdade sexual (já pedindo a venda de camisinhas a preços baixos, numa época pré-AIDS), que poucos anos depois seria a tônica do movimento feminista e de direito dos homossexuais; fizeram manifestações anticolonialistas, condenando a política repressiva contra os indonésios que lutavam pela independência, e de direitos humanos contra as ditaduras de Franco (Espanha) e Salazar (Portugal); constituíram pequenas comunidades alternativas rurais; e puxaram os protestos contra a guerra do Vietnã, criando um escarcéu delirante diante da embaixada americana local. Ainda sobrava energia para esportes menos engajados, como pintar a casa do prefeito de branco ou suspender uma discussão sobre o casamento da princesa Beatriz no Parlamento de Haia usando uma sirene de bombeiro.

As apreensões das revistas Provo ofereceram grande publicidade para a publicação, que passou das iniciais 500 cópias para as 20 mil cópias da derradeira edição. Na esteira desse crescente sucesso, 1965 foi o ano da explosão da imprensa underground holandesa, pasquins pipocando por todo país. Tinham concepção gráfica inovadora e inspiraram publicações por todo o globo, como a londrina It, que por ser em inglês se tornaria referência internacional do gênero. Em 64, Grootveld, visionário, disse que “os jornais se tornarão cada vez mais conformistas, cada vez mais corruptos, cada vez mais dependentes dos sindicatos da droga e da nojenta classe média (…) Vai se desenvolver um sentimento de dúvida em relação aos meios de comunicação. O resultado será o florescimento de uma imprensa descentralizada, talvez até mesmo ilegal (…) No futuro, cada um terá seu pequeno jornal. Porque não podemos esquecer que temos uma revolução ao alcance das mãos”. A
internet, com seus sites independentes e blogs, está aí para confirmar.

A saga Provo rendeu matérias históricas nos principais jornais psicodélicos americanos, dando uma lavada em seus leitores ao insinuar que os hippies pouco sabem sobre contracultura; e começou a ver a si própria se tornar pop: uma agência de turismo inclui uma visita à Spui na agenda de passeios e o órgão estatal para turismo organiza, numa cidade próxima a Amsterdam, falsos happenings, com encenações envolvendo falsos Provos e falsos policiais, tudo muito à la Disneyworld.

Para não se tornarem caricaturas de si próprios, já que são plenamente conscientes de que estão atuando na sociedade do espetáculo, em maio de 67, um ano antes das barricadas do meio de 68 francês, nossos protagonistas decidem baixar as cortinas. Fazem-no através do 15º número do tablóide e uma festa de despedida no Vondel Park. Afinal, sem o apoio do chefe de polícia e o prefeito de Amsterdam, que foram despedidos por ineficiência, não fazia mais tanto sentido.


.

[+] Joana Coccarelli é jornalista, autora do blog Narghee-La e idealizadora do Coccarelli.art, coletivo de artistas, blogueiros e escritores. Escreve nesta coluna sobre estética, design e moda.
joana@revistaogrito.com.

.
Leia as colunas anteriores
[+] Moda conceitual
[+] Be My Eighties
[+] Se olha no espelho

Sem mais artigos