Revista O Grito!

Jazz Metal — Por Paulo Floro

Categoria: Lançamentos no Exterior (Página 1 de 3)

My Favorite Things Is Monsters é o fenômeno das HQs autorais este ano

Ninguém tinha ouvido falar de Emil Ferris até a editora norte-americana Fantagraphics lançar a HQ My Favorite Things Is Monsters em fevereiro deste ano. Desde então a obra tem se tornando um dos fenômenos editoriais dos quadrinhos de 2017. Com a terceira tiragem anunciada nesta semana a HQ chegou aos 70 mil exemplares, o que é algo impressionante para um gibi autoral.

Chama ainda mais atenção o fato de Ferris ser totalmente desconhecida no cenário dos quadrinhos e de seu livro tratar de um tema não muito palatável: a monstruosidade em suas mais diferentes facetas.

A história se passa em Chicago nos anos 1960 e tem com protagonista uma menina de 10 anos, Karen Reyes, que se apresenta como uma menina-lobo. My Favorite Thing Is Monsters é na verdade o diário de Karen com seus pensamentos, medos, desejos, opiniões. Apaixonada por filmes de terror ela traduz suas emoções em diferentes escalas de monstruosidades. Há ainda referências a momentos históricos como o assassinato de Martin Luther King Jr. e o Holocausto. Uma das tramas principais do livro, inclusive, tem a ver com horrores da 2ª Guerra Mundial.

A HQ foi bastante elogiada em resenhas e também por nomes como Art Spielgeman, que afirmou que Ferris é “uma das mais brilhantes autoras de quadrinhos de nosso tempo”. O autor de Maus afirmou que ela usou o estilo do sketchbook como uma forma de alterar a linguagem dos quadrinhos.

A história de Ferris é tão interessante quanto o livro. Aos 40 anos ela era uma ilustradora freelancer quando contraiu a Doença do Nilo Ocidental, um vírus transmitido por um mosquito. Ela ficou paralisada e teve que aprender a desenhar novamente, apesar da dor crônica e dos movimentos prejudicados. Em um perfil para o New York Times, Ferris disse que lidar com monstros acabou tornando-se uma metáfora para sua vida, mas que a força de vontade a fez superar a doença.

O primeiro volume de My Favorite Things Is Monsters, com quase 400 páginas, é um best-seller. O segundo volume, já em pré-venda, sai em fevereiro de 2018 e terá mais 300 páginas. Espero que as editoras brasileiras não demorem a lançar essa obra, desde já um marco dos quadrinhos alternativos.

A volta do Viñetas Sueltas, o festival de quadrinhos da Argentina

vinetas

O festival de quadrinhos Viñetas Sueltas, um dos mais importantes da Argentina, está de volta. E para um país com uma produção tão rica de HQs a notícia é bem importante. A relevância do evento é enorme, pois ele foca na produção autoral e independente, o que projetos como Comic Cons e outros, não colocam como prioridade.

A última edição rolou em 2012. Agora a quinta edição será realizada nos dias 14 a 16 de outubro em Buenos Aires (no Palais de Glace, veja aqui o link do evento). Entre os convidados desta edição estão Ivan Brunetti (EUA), Pascal Rabaté (França), Jim Mahfood (EUA), Sammy Harkham (EUA), o editor italiano Antonio Scuzzarela e uma comitiva de quadrinistas e profissionais ligados ao quadrinho chinês, como como Zhao Zhicheng –Golo-, Wang He, Xu Ziran, Dong Peipei e Zhang Jing.

E os nomes nacionais argentinos também estarão presentes, como Esteban Podetti, Dante Ginevra, Erica Villar, Federico Reggiani, Fernando Baldó, Muriel Frega, Juani Navarro e Paula Andrade.

A arte incrível do cartaz é de Mario Scalerandi.

A lombada da edição portuguesa de Sandman

sandman

A editora Levoir divulgou a imagem que formam a lombada da edição portuguesa de Sandman, de Neil Gaiman. A coleção é formada por 11 volumes, que tem nomes ligeiramente diferentes da versão lançada no Brasil. A arte é de Dave McKean, capista da série.

Depois de uma edição finalizada pela Conrad, a Panini lançou no Brasil a versão “Absolute”, recolorida, em quatro volumes. O primeiro número já teve uma reimpressão.

Homem de Ferro será uma adolescente negra em nova série da Marvel

ironwoman

Ainda estou sob o efeito do impacto do novo Homem de Ferro da Marvel. Ou melhor, da Mulher de Ferro. A editora revelou que a famosa armadura do personagem será usada por uma jovem mulher negra de 15 anos na reformulação da série.

Riri Williams é uma gênia da computação do prestigiado MIT, nos EUA. Ela irá estrelar o novo título Invincible Iron Man #1, que será escrito pelo vencedor do Eisner Brian Michael Bendis. Riri já tinha aparecido brevemente nas histórias do Homem de Ferro quando chamou a atenção de Tony Stark ao recriar a armadura em seu dormitório na universidade usando a técnica da engenharia reversa. Os desenhos serão de Stefano Caselli.

O surgimento da Mulher de Ferro faz parte de uma estratégia da Marvel Comics em reformular personagens famosos de modo a atrair um público mais diverso além do jovem homem branco. Nesta proposta já tivemos a Thor mulher e a nova Ms Marvel, uma adolescente muçulmana filha de pais paquistaneses.

Bendis é um dos nomes responsáveis por mexer em cânones da editora. Foi ele quem criou o personagem Miles Morales, um jovem negro de ascendência latina que assumiu o traje do Homem-Aranha no lugar de Peter Parker. A HQ tornou-se um sucesso e Miles segue firme até hoje dentro da cronologia da editora. Bendis sempre foi ciente que essas mudanças não viriam sem uma reação contrária. Ele costuma debater na internet com fãs “irritados” com esse aumento de representatividade das histórias. “Tem fãs que dizem ‘mostrem-nos algo novo’, e tem outros que dizem ‘não façam nada diferente de como quando eu era criança. Então quando você introduz novos personagens sempre vai ter gente paranóica sobre como estamos arruinando a sua infância”, disse Bendis ao The Guardian. “Alguns dos comentários online – eu não acho que as pessoas realizam o quanto estão sendo racistas”.

A aparição de Riri faz parte da nova saga Guerra Civil II, que também é escrita por Bendis. A saga, ainda inédita no Brasil, promete mudar as estruturas da Marvel pela milionésima vez. De reformulação em reformulação, é interessante ver que as histórias ganham novas cores e sabores além do habitual.

Leia o que escrevi sobre a nova série do Pantera Negra.

Wimmen’s Comix: histórica revista feita por mulheres quadrinistas ganha antologia

wimmens

Já está sendo vendido o gigantesco volume The Complete Wimmen’s Comix, uma compilação com material da histórica publicação formada por autoras de quadrinhos nos anos 1970.

Fundada em 1972, a Wimmen’s Comix trazia um contraponto ao cenário underground de quadrinhos nos EUA, formado em sua maioria por homens. A revista trazia discussões sobre sexualidade, política e era bem afiada em sua crítica à sociedade norte-americana do período.

Em seus 20 anos de circulação trouxe nomes como Aline Kominsky-Crumb, Carol Tyler, Melinda Gebbie, Phoebe Gloeckner, Roberta Gregory, Carol Lay, Dori Seda, Lee Marrs, Diane Noomin, Mary Fleener, Joyce Farmer e muitas outras. Agora a editora Fantagraphics reúne todo esse material em um livro de 728 páginas.

A edição da obra é histórica por resgatar a relevância da Wimmen’s Comix, mas também por publicar alguns trabalhos que seguem fora de catálogo por décadas. Estão presentes no livro a primeira HQ feita inteiramente por mulheres da história, “It Ain’t Me, Babe”, de 1970. A edição traz uma introdução de Trina Robbins.

wimmens1

Pelo tamanho do livro e acabamento luxuoso, não podíamos esperar nada muito barato. O preço da obra é de 100 dólares (o que inclui uma caixa slipcase, além de dois volumes em capa dura). Na Amazon BR sai por R$ 357. Veja um preview.

Página 1 de 3

Jazz Metal é um blog da Revista O Grito!. Todos os direitos reservados. © 2013–2017