• Entre os últimos dias 22 e 24 de agosto rolou em São Paulo (na Escola de Comunicação e Artes – ECA USP), as 5ªs Jornadas Internacionais das Histórias em Quadrinhos. O evento já é o maior da América Latina e reafirmou ainda mais a sua relevância acadêmica pois passou a ser realizado de maneira anual a partir desta edição de 2018. 
  • Segundo Paulo Ramos, um dos organizadores do evento, este ano o Jornadas teve recorde de trabalhos inscritos, o que surpreendeu muita gente. Por ser a primeira vez que acontecia em dois anos consecutivos, existia o temor da diminuição da quantidade de resumos submetidos. 
  • Muitos trabalhos interessantes foram apresentados no Jornadas este ano, mas destaco aqui a grande quantidade de trabalhos sobre a obra de Marcelo D’Salete, autor de Cumbe e Angola Janga. É bom ver que a a academia já se debruça sobre uma das obras mais importantes das HQs brasileiras em muito tempo. 
  • Apresentei parte de minha pesquisa sobre o imaginário do sertão nos quadrinhos, desta vez com um olhar apenas sobre a obra de Jô Oliveira. Vi muitos trabalhos que, assim como o meu, também analisam a bibliografia dos quadrinhos brasileiros e sua relação com a história e as representações da cultura brasileira. 
  • A conferência de abertura foi da professora Barbara Postema, que também lançou no Brasil o livro Estruturas Narrativas nos Quadrinhos (Peirópolis). Na sua palestra ela falou sobre os quadrinhos mudos. 
  • A conferência de abertura foi novamente bem descontraída –  diferente de muitos congressos acadêmicos – e ainda contou com o anúncio dos vencedores do Troféu HQ Mix nas categorias “melhor TCC”, “melhor dissertação” (vencida por Mayara Lista) e “melhor tese” (vencida por Liber Paz, agora bicampeão do prêmio).
  • Não pude ir no último dia, mas deu para ter uma ideia de como o evento foi bem prestigiado. Sem dúvidas, o Jornadas é hoje um dos espaços mais ricos de debate sobre quadrinhos no Brasil.  Mais do que um evento acadêmico ele é um agregador de uma riqueza crítica sobre essa mídia e suas diversas intersecções com áreas diversas. A presença de veículos especializados cobrindo o evento também indica que o interesse do grande público tem crescido. 
  • E o que é importante: estamos construindo um registro dos estudos de HQs, o que nos ajuda a dar perspectiva e aumentar a importância que os quadrinhos têm hoje nos diversos programas de pós-graduação. 
  • E teve paçoca!