Revista O Grito!

Jazz Metal — Por Paulo Floro

Data: 5 de fevereiro de 2013

Brasil sem maquiagem: algumas verdades que precisamos ouvir

rafucko-594x334

é um humorista carioca que está ficando conhecido por causa do vídeo Brazil Without Make-up. O vídeo faz uma crítica em inglês da cerimônia de encerramento das de Londres, que representou o Brasil cheio de estereótipos. Com uma maquiagem chamativa, remetendo aos índios, ele dissecou o show, que contou com sambistas, Sorriso, o gari sambista da Sapucaí e até Marisa Monte de Iemanjá.

Autor da direção e roteiro do vídeo, Rafucko é um talento para ficar de olho. O Trabalho Sujo fez um post mostrando outros trabalhos dele, igualmente ótimos como esse. No “Brasil sem maquiagem”, ele faz uma ácida crítica no clichê confortável vendido ao exterior do Brasil como um país da alegria. Pegando como mote tudo o que foi mostrado na homenagem ao Brasil em Londres, ele lembrou do preconceito contra as religiões afro (“Iemanjá estaria mais segura na Inglaterra”) e o baixo salário pago aos garis. Ele mostra contradições no discurso do governador Sergio Cabral, que disse que o Museu do Índio deveria ser demolido por uma exigência da Fifa. A Fifa, por sua vez, negou, tirando o corpo fora.

“A apresentação do Brasil nas Olimpíadas de Londres foi um show muito bonito, mas pouco honesto”. Segundo o Jornal do Brasil, Rafucko afirmou que não recebe nenhum financiamento para fazer seus vídeos. O vídeo segue bombando, e por ser falado em inglês, esperamos que ganhe repercussão internacional. O site da Al Jazeera já repercutiu. Tem coisas que precisamos ouvir. O Brazil Without Makeup tem site oficial e Facebook. E Rafucko posta outros trabalhos em sua página. Vale a pena.

Como trabalha o ilustrador Mark Summers, autor dos retratos da Barnes & Nobles

mark-summers-virginia-woolf
Virginia Woolf

A livraria Barnes & Nobles, uma das mais tradicionais do mundo, fez a fama do ilustrador . É ele quem assina os famosos retratos em preto e branco dos autores, presentes tanto no site quanto em lojas físicas da rede. O blog Behance entrevistou Summers, que contou seu processo de trabalho.

“Eu trabalho com scratchboard, então todos esses retratos começam a partir de um quadrado preto. Uso uma faca X-acto para raspar as linhas brancas sobre o preto, revelando o desenho. Muitos me perguntam se eu uso “plug ins” e “filtros”, etc. E eu digo que não faço ideia do que estão falando. Tudo é feito sem nenhum uso do computador. Tudo original.”

Achei o trabalho dele ainda mais incrível. Veja mais fotos de Summers abaixo.

mark-summers-walt-whitman
Walt Whitman

mark-summers-poe
Poe

mark-summers-leo-tolstoy
Tolstoi

Turma das trevas

dark-lord

Que barra um chá com essa galera. Tem como encomendar aqui.

Jazz Metal é um blog da Revista O Grito!. Todos os direitos reservados. © 2013–2019