Revista O Grito!

Jazz Metal — Por Paulo Floro

Grupo ultraconservador One Million Moms protesta contra personagens gays nas HQs

A organização conservadora americana One Million Moms está implicando com o casamento gay dos X-Men, entre o personagem Estrela Polar e seu namorado Kyle e também com a revelação de um herói gay na DC Comics. O grupo divulgou um comunicado em que condena as iniciativas das editoras.

O OMM continua com a ótica obtusa de que quadrinhos são direcionados para crianças. Depois, discorre em preconceito dos mais básicos, ao acreditar que crianças não podem ser expostas a comportamentos de outras orientações sexuais, que não a heterossexual.

“Crianças desejam ser como super-heróis. Crianças imitam e se vestem como esses personagens o quanto puderem. Você consegue imaginar esses pequenos meninos dizendo: ‘Eu quero um namorado ou marido como os X-Men’? Isso é ridículo”, diz um trecho do comunicado da organização. “Crianças vêm sendo expostas à homossexualidade desde a mais tenra idade. Os quadrinhos deveriam ser um dos últimos lugares onde os pais esperariam que seus filhos fossem confrontados com assuntos homossexuais, complicados demais para que eles entendam”.

O curioso é que a organização mostra um grande desconhecimento dos quadrinhos de super-heróis nos EUA. O personagem Estrela Polar, que vai se casar mês que vem, é assumido desde 1992, quando participava das histórias do grupo Tropa Alfa. A DC Comics já tem outra personagem estabelecida que é lésbica assumida, a atual Batwoman. Sem falar nos heróis Apolo e Meia-Noite, do grupo Stormwatch.

As histórias dos X-Men sempre serviram como metáfora do preconceito sofrido pelas minorias, como os gays. O casamento entre Estrela Polar e seu namorado, portanto, é algo bem natural. Já a DC Comics dá um grande passo na maturidade com que trata o assunto, já que decidiu mudar a orientação sexual de um personagem “proeminente”. O mais novo super-herói a sair do armário na editora será revelado mês que vem.

Veja a íntegra da declaração do One Million Moms (em inglês).

Um PS: Esse grupo de mamães ultrareacionárias já implicou também com Ellen DeGeneres. A apresentadora foi chamada para ser garota propaganda da rede de lojas JC Penney (tipo uma Americanas). O OMM achou um absurdo que uma lésbica assumida fosse estrela de uma marca que elas consumiam. Por isso, iniciaram uma campanha de boicote. Resultado: não só não deu certo, como a JC Penney repudiou o grupo e reforçou seu apoio às causas gays.

Comentários

Anteriores

Clutch queer-nerd

Próximo

35 anos das HQs de Star Wars

3 Comentários

  1. Ângela

    Esse grupo tem direito de se pronunciar tanto quanto os homossexuais tem. Crianças leem quadrinhos também, isso é um fato e querer que nossos filhos constituam uma família e deixem descendência é uma realização biológica natural e uma estratégia de continuidade. Homossexuais devem cultivar a diversidade de opiniões, já que vêm tomando tanto espaço nos meios de comunicação clamando justamente por isso.

  2. Antonio José

    Já há muito viado pra pouco macho. A heterosexualidade e a homosexualidade podem ser tratadas naturalmente, sem essa pressão gay que de alastra de modo artificial na moda, no jornalismo, nas artes e em todos os estratos sociais. É nítido o patrulhamento gay operando paulatinamente para que todo o mundo vire viado. va
    Os conviver com o homosexualidade com respeito e aceita-lo como irmão, mas essa lorota de que ser gay é natural está fora de propósito, pois se o próprio gay pudesse escolher como iria nascer optaria por ser hétero.

    Tambem

  3. zCHB0T I’ve recently started a website, the info you offer on this site has helped me greatly. Thanks for all of your time & work.

Os comentários estão desativados.

Jazz Metal é um blog da Revista O Grito!. Todos os direitos reservados. © 2013–2018