Revista O Grito!

Jazz Metal — Por Paulo Floro

Moore nunca viu filmes baseados em suas obras e vendeu direitos das HQs por “dinheiro fácil”

Alan Moore passa a vida reclamando da adaptação para os cinemas de seus quadrinhos famosos, como Do Inferno, V de Vingança, Watchmen e Liga Extraordinária (nesse último caso, ele está totalmente certo).

No caso de Watchmen, ele chegou a anunciar que doou o dinheiro referente aos direitos autorais para o desenhista (nunca confirmado) e pediu que tirassem seu nome dos créditos. Um dos escritores mais respeitados na indústria dos quadrinhos, Moore foi um dos responsáveis pela relevância que o gênero conquistou desde o final dos anos 1980.

Agora, ele aparece nesta entrevista à BBC dizendo que vendeu suas HQs com a intenção de que nunca fossem para as telonas. “Eu os vendi achando que eles não acabariam sendo transformados em filmes. Sim, eu queria ganhar um dinheiro fácil”. Moore ainda lembrou que nunca viu nenhum dos filmes e baseou-se em opiniões de amigos próximos que conhecem bem sua obra.

“Procurei me distanciar o máximo possível dos filmes, porque eles não têm nada a ver com meus livros, que foram feitos para explorar os recursos de uma história em quadrinhos”. O vídeo na íntegra pode ser visto abaixo. Via BBC Brasil.

Comentários

Anteriores

Bob Dylan por Rafael Grampá

Próximo

Pic: Alien zen

9 Comentários

  1. Say, you got a nice article.Really looking forward to read more. Fantastic.

  2. Thank you for your blog.Much thanks again. Keep writing.

  3. I truly appreciate this article post.Thanks Again. Much obliged.

  4. I appreciate you sharing this blog post.Thanks Again. Cool.

  5. Thanks a lot for the post. Keep writing.

  6. Thanks for the post.Really thank you! Will read on…

  7. Thank you ever so for you post.Really looking forward to read more. Awesome.

  8. I really liked your article. Really Great.

  9. Great, thanks for sharing this article.Much thanks again. Much obliged.

Os comentários estão desativados.

Jazz Metal é um blog da Revista O Grito!. Todos os direitos reservados. © 2013–2018