trip-191-angeliUma das capas desse mês da Trip é o cartunista Angeli. Ele é o entrevistado das “Páginas Negras”, seção de entrevistas da publicação, assinada pelo jornalista Fernando Luna. A capa, claro, é assinada pelo próprio traço do artista, que é personagens de suas tiras.

No papo, Angeli fala de política, tema central dessa edição, religião, drogas e Laerte. Separei um trecho. Angeli é criador de personagens famosos, como os Skrotinhos, Mara Tara, Rê Bordosa, entre outros. A tira Chiclete Com Banana é publicada diariamente pela Folha de S. Paulo.

Dá pra ler a entrevista, aqui.


Está mais difícil ser politicamente incorreto?
É, as pessoas estão cercando os incorretos… Não desenhe isso, não desenhe aquilo. Algumas tiras causam problemas. Fiz uma, da série “Lovestórias”, em que uma mulher falava: “Você não me toca há muito tempo”. Aí o cara levantava, cobria a mulher de porrada e voltava: “Pronto, já toquei”. Recebi várias cartas dizendo que eu tava propagando a violência contra a mulher… Não percebem que o ridículo da história é o marido.

Os Skrotinhos são os personagens mais politicamente incorretos...
Meu papo sempre foi mais com delegacia de costumes do que com delegacia de política. Nas vezes que fui preso, foi por maconha.

Quantas vezes foi preso?
Quatro, todas parecidas, por causa de baganinha no bolso… Na primeira vez, tava com dois amigos no carro, chapados. Um deles gritando pela janela. A polícia civil cercou a gente no Pacaembu, perguntou se tava com alguma coisa. Disse que não, mas encontraram. Aí tiraram minha roupa, bateram, me arrastaram pelo cabelo. Eu tinha cabelo comprido.

Via UHQ.

Comentários