Divulgação / WikiCommons

Divulgação / WikiCommons

A integrante das , , iniciou uma greve de fome contra a proibição de participar de uma audiência de condicional, agendada para esta quinta (23). No ano passado, Maria e outras duas companheiras de banda, e Nadezhda Tolokonnikova foram presas após um protesto contra as relações do presidente da Rússia Vladimir Putin e a Igreja Ortodoxa Cristã.

Leia Mais
O que as Pussy Riot tem a ver com a gente
Doc sobre as Pussy Riot estreia em Sundance

Tudo o que publicamos sobre Pussy Riot

O protesto aconteceu na Catedral do Cristo Salvador, em Moscou com uma espécie de “oração punk”. Depois de diversas audiências e protestos contra a prisão em diversas partes do mundo Yekaterina Samutsevich foi liberada, mas as outras duas continuam presas.

Maria se negou a participar da audiência de condicional através de um link ao vivo em vídeo, pois disse que isso fere seus direitos. Em entrevista para a revista Dazed, direto da prisão, realizado meses atrás e divulgado apenas hoje, ela afirmou que foi colocada em confinamento na solitária.

Mesmo presas, as integrantes do Pussy Riot seguem expondo o autoritarismo do regime russo atual. Livre, a ativista da banda Yekaterina, vem dando entrevistas para imprensa internacional e falou para a audiência do Festival de Sundance, em março, quando foi lançado um documentário sobre o grupo. Um documento de 68 páginas da Anistia Internacional publicado em abril mostrou que diversas leis russas desrespeitam tratados internacionais de direitos humanos.

Sem mais artigos