Revista O Grito!

Holofotes —

Categoria: Cinema

joana

Joana Gatis: sexo e vingança no faroeste do Janga

O que te motiva a fazer um filme? Para a artista plástica e figurinista pernambucana Joana Gatis, 38 anos, foi raiva. O primeiro curta-metragem da diretora, Soledad, está pronto para começar a circular por festivais de cinema. Após trabalhar em dezenas de longas e curtas pernambucanos como figurinista, dentre os quais estão Baixio das Bestas e Febre do Rato de Claudio Assis, Joana dirigiu um filme de faroeste ao lado de mais dois amigos e uma grande equipe.

Foi num sonho que Joana teve a ideia inicial para Soledad, filme que leva o nome da personagem-título interpretada pela própria autora. Joana estava morando em São Paulo e, motivada por raiva, deu origem ao roteiro sobre vingança, sexo e violência. No retorno para Recife, ela encontrou na Praia do Janga, em Paulista, o cenário para o filme. “É um filme que tem muita coisa pessoal minha. É um desabafo meu sobre coisas pessoais”, contou.

“Tem muito do cinema spaghetti italiano. Eu gosto do faroeste tradicional, do Sergio Leone, porque ele tem uma pseudo-calma, uma tensão e sabe usar muito bem o tempo. E também tem muito do Mad Max, dos originais”, explicou Joana sobre as referências que serviram de inspiração para o roteiro de Soledad. O filme é completamente sem diálogos, pois segundo Joana, neste futuro não muito distante, as palavras foram esquecidas.

No meio do processo entraram dois amigos que colaboraram com o roteiro e também assinam a direção do filme: Flávia Vilela e Daniel Bandeira. Na primeira versão do roteiro, escrita em conjunto com Flávia, a atmosfera era puramente feminina e o desejo de vingança era muito mais latente. Com a chegada de Daniel, que lançou um terceiro olhar sobre a história, o faroeste ganhou outras arestas. “Daniel nos ajudou a fazer um filme possível de ser filmado, com um olhar mais técnico sobre as cenas”, contou.

A equipe contou com o talento de Dani Vilela e Diogo Costa na direção de arte, Andrea Monteiro no figurino, Tayce Vale na maquiagem, Pedro Sotero na direção de fotografia, Clayton Martin (da banda Cidadão Instigado) na trilha sonora, Daniel Bandeira na montagem, entre muitos outros.

joana2

Cinema de mulher?

Recentemente no Recife houve uma forte discussão em torno de filmes dirigidos por mulheres, cujo foco da discussão era uma mostra de cinema segmentada. Joana, que há uma década trabalha com cinema, diz que sempre viu mulheres marcando presença nas produções e que dispensa o rótulo “cinema de mulher” pelo fato de não entender que um filme pertença unicamente a quem assina a sua direção, mas sim a toda a equipe envolvida no trabalho. “As mulheres não têm que se intimidar. Elas têm que fazer filmes. E tem que ter mais filmes feitos por todo mundo”, declarou ela. “Não tem que existir festival de mulher ou festival de homem”, completou.

Soledad é descrito por Joana como um filme feminino, mas que ela não concebe a ele o título de filme feminista, embora tenha convicção de que ele assim será chamado. A diretora estreante declarou: “Eu queria que não olhassem para o meu filme de modo diferente só porque uma mulher dirigiu. Para mim existe filme ruim e filme bom, independente de quem o dirigiu”.

“As mulheres não têm que se intimidar. Elas têm que fazer filmes. Não tem que existir festival de mulher ou de homem.”

A carreira de figurinista começou como assistência de moda em diversos trabalhos realizados em São Paulo, para onde ela mudou-se em 1997. O currículo acumula desde editoriais de moda a produção de figurino para TV. Sem nunca ter feito assistência de figurino para cinema, Joana entrou na equipe de Baixio das Bestas (2007) assinando o figurino do filme e vem traçando um caminho de sucesso desde então. O filme pernambucano mais recente com figurino produzido por Joana foi Amor, Plástico e Barulho (2012). Além de figurinista, ela é artista plástica e agora, cineasta. Seu talento se estende desde cerâmicas, arte herdada através da mãe, a telas e tecidos.

Nas telas pintadas por Joana, os corpos nus são elementos recorrentes. Em Soledad os corpos nus também estão lá. Ela não sabe explicar a recorrência do sexo em suas obras, mas assume que a sedução é algo que lhe interessa muito. O sexo é uma questão muito bem resolvida para a artista, que assume o gosto pelo tema e não nega falar sobre o assunto. Aliás, seu corpo serviu de inspiração para os desenhos do filme Deixem Diana Em Paz (2013) de Júlio Cavani.

soledad

Ansiosa para ver o filme sendo exibido em telas grandes, Joana conta que a finalização foi um período de amadurecimento de tudo. Há 1 ano, os três diretores pensaram estar com o filme pronto, quando decidiram prolongar a estreia e trabalhar a montagem por mais algum tempo. A finalização excedeu o orçamento previsto para o filme, que foi de R$ 100 mil do edital Funcultura Audiovisual. O trio de diretores iniciou uma campanha de financiamento coletivo para arrecadar fundos para os trabalhos necessários para finalizar o filme e arrecadaram pouco mais de R$ 4 mil reais. A campanha contou com apoio de 54 pessoas.

“É um filme caro, se você assistir você verá”, conta Joana, explicando que sequências de tiroteio exigiram muitos efeitos de maquiagem e a arte do filme foi caprichada. O filme tem inclusive efeitos visuais, um capricho que poucos filmes podem ter. Soledad pode virar uma série de TV, caso os planos que Joana Gatis têm em mente se concretizem. A ideia está sendo trabalhada ainda na cabeça dela. O filme, ainda inédito, deve estrear em festivais de cinema no segundo semestre de 2015. A sessão de estreia no Recife ainda não está marcada, mas Joana prevê que deve acontecer em poucos meses.

chico lacerda (eisenstein)3

Coletivo Surto & Deslumbramento: Forçando os limites

O cinema, como todo mundo sabe, é uma arte coletiva e no cinema feito em Pernambuco, em especial, esse trabalho coletivo ultrapassa os limites do set de filmagem e tem sido apontado como o “cinema da brodagem” pela estreita relação existente entre os realizadores locais. O apoio mútuo de cineastas, atores e técnicos a cada novo filme já se tornou uma marca da nossa produção audiovisual e se revelou uma estratégia eficiente para superar as dificuldades técnicas e financeiras na realização de filmes num estado que, apesar do apoio governamental, enfrenta os obstáculos contumazes do cinema brasileiro.

E é nesse contexto que surge, no Recife, o Surto e Deslumbramento, um coletivo de realizadores formado por Chico Lacerda, Rodrigo Almeida, Fábio Ramalho e André Antônio. Com um detalhe: o grupo, em seus primeiros trabalhos audiovisuais, vem quebrando padrões estéticos e de conteúdo caros à produção pernambucana e questionando os procedimentos usuais de realização e difusão. Irreverência, olhar crítico, desmitificação, ironia e muita pinta são as tintas preferidas dos quatro rapazes, autores, entre outros, de Mama, Estudo em Vermelho, Canção de Outuno e Casa Forte, filmes que estão chamando a atenção dos internautas e dos espectadores dos festivais onde eles tem sido exibidos.

 

deslum

O Início

A semente da produtora Surto e Deslumbramento brotou meio por acaso quando Chico, Rodrigo, Fábio e André estavam fazendo mestrado no PPGCOM-UFPE, no final da década passada. André trabalhava com montagem, mas Chico era o único que já tinha realizado alguns filmes. Todos, porém, participavam ativamente das sessões do cineclube Dissenso e nos debates pós-exibição descobriram afinidades a partir dos filmes e de referências imagéticas compartilhadas. As conversas se prolongavam nas mesas dos bares quando eles se reuniam para sobretudo “falar mal do debate”, lembra Chico.

“Falar mal”, segundo André, na verdade era externar um certo desconforto em relação a produção local, um ponto de convergência entre os quatro. “Naquela época nós achávamos o cinema pernambucano muito heterossexual e politicamente careta, uma ideia de política bem conservadora e que às vezes desconsiderava as outras políticas ou tentava ler essas outras políticas numa única chave”, completa Rodrigo.

Até aquele momento ainda não havia um desejo conjunto de fazer filmes. Isso, no entanto, mudou em 2012 quando Chico, Rodrigo e André foram a Córdoba, na Argentina, participar do encontro da Associação Argentina de Estudos de Cinema e Audiovisual (ASAECA). Apenas Fábio não estava lá. Em meio a muitas farras, algumas das brincadeiras entre eles girava em torno da música Mama, de Valesca Popozuda. “Sabrina, uma amiga em comum, não gostava da música e nós ficávamos cantando Mama e conversando sobre ela. E então acabávamos tendo discussões sobre feminismo por conta da letra da música abordar o tema sexo de uma maneira totalmente não convencional”, recorda Rodrigo.

As discussões sobre Mama mesclavam-se com conversas sobre cultura pop, reality shows e foi daí que surgiu a ideia de fazer um filme sobre tudo isso. André conta que inicialmente foi meio de brincadeira. “Dissemos: vamos fazer um clipe sobre Mama com Sabrina nua em Itamaracá imitando um clipe de Chris Isaac e com um extraterrestre se masturbando, inspirado pelo ET Bilu. Mas como eu tinha vontade de rodar um filme com dois amigos bebendo vinho num gramado, quando voltamos da Argentina resolvemos colocar esse meu projeto adiante e coloca-los conversando sobre Mama”.

“Você pode atingir uma excelência de imagem com câmeras que são amadoras e baratas.”

As filmagens transcorreram de maneira bastante livre em dois dias com imagens captadas na casa de Chico em Vila Velha, Itamaracá, e na casa de André. O filme não teve roteiro, mas os planos eram pensados e a conversa foi dirigida por André. “Enquanto bebíamos, fomos pedindo para Pedro, um amigo nosso, fazer poses lânguidas pela casa e no dia seguinte, de ressaca, filmamos Rodrigo e Chico comentando sobre a letra da música da Valesca. Logo em seguida eu fiz o primeiro corte e já compartilhei com os meninos, trabalhamos na montagem e lançamos Mama na internet”, relembra.

O filme foi divulgado entre amigos. Rodrigo tinha contato com as pessoas e foi recolhendo opiniões e repassando para os demais integrantes do grupo. “Isto nos deu força para pensarmos em realizar novos trabalhos”, conta Chico que, na época, tinha feito, entre outros, Hipnose para Leigos, A Banda e Doce e Salgado, esse último fruto de uma oficina com a cineasta Maria Pessoa. Antes de partir para um novo projeto, Rodrigo fez, em janeiro de 2013, três vinhetas para o bloco I Love Travesti, organizado por ele e Johnny Hooker. Mas a edição foi feita mais uma vez conjuntamente, com todos dando opinião até se chegar ao resultado final. Segundo Fábio essa é uma marca do grupo, discutir exaustivamente as realizações tanto presencialmente quanto on line. “É um processo dinâmico e que funciona muito bem, mesmo quando um de nós não está no Recife, não fica de fora”. Ocorreu assim também com a nova versão do documentário Eternamente Elza, de Alexandre Figueirôa e Paulo Feitosa, remontado por Chico, a pedido dos realizadores, e relançado no You Tube em 2013. O filme acabou sendo selecionado e exibido no Mix Brasil e no For Rainbow, em Fortaleza.

Quebrar os padrões

Cada vez mais motivados, o grupo resolveu partir para a realização de Estudo em Vemelho. “Foi a primeira vez onde a gente começou esse processo de, numa postura de autor, jogar a ideia e começar a discutir a partir dela”, diz Chico. O trabalho foi longo e mais uma vez o ponto de partida foi uma referência do universo pop. Chico conta que era fascinado pelo clipe Wuthering Heights, de Kate Bush, e queria refaze-lo. “O desafio, porém, era como torna-lo um curta e inseri-lo dentro de um discurso que fosse interessante? Então eu trazia textos para os meninos lerem e levamos uns seis meses de discussão só para construir o roteiro. Já as filmagens e a montagem foram mais rápidas porque já estava tudo planejado”.

O curta foi lançado também na internet, configurando a estratégia do grupo contra uma certa postura de sempre pensar a distribuição de qualquer filme – longa ou curta – seguindo uma lógica comercial. “Para nós passou a ser um ponto de honra quebrar com o padrão de primeiro enviar o filme para um festival e só depois para os outros canais. Não achamos que disponibilizar de graça vai acabar com a carreira do filme. É um gesto de generosidade que vai de encontro a uma certa mesquinhez de ficar segurando, guardando a obra”, defende Chico.

Segundo Fábio, com Estudo em Vermelho eles conseguiram demonstrar ser possível quebrar o senso comum de uma lógica da escassez baseada na falta de lugares para mostrar o filme e a obediência a uma hierarquia rígida da sala de cinema sobre outros espaços de visualização. Um dos argumentos dos cineastas para isso é a garantia do controle nas condições técnicas ideais de exibição, o que para Fábio é uma falácia, porque em muitas mostras a qualidade da projeção é muito ruim.

Mesmo sendo lançado na internet, Estudo em Vermelho foi exibido na Mostra de Tiradentes e em muitos festivais. “Eu acho muito louco os diretores de curta operarem numa lógica de longa. É meio nosense alimentar apenas um certo público privilegiado, um público autorreferente. Hoje, para se ver filmes como os nossos ou você está inserido no circuito dos festivais ou conseguiu contrabando de link, então é muito antidemocrático, de certo modo é uma panelinha”, diz Fábio.

Chico observa que muita gente se espanta quando ele diz que o filme que está no festival também já foi disponibilizado na web. “Gosto muito de saber que os nossos filmes estão se comunicando com públicos variados”. Para ele, usar a internet como principal veículo de difusão é também uma forma de quebrar com certas místicas em torno do cinema. “Estudo em Vermelho é um filme feito a partir de um videoclipe e de vários textos já existentes, imagens de arquivo que se misturam com as nossas, então nada mais natural que ele entre nesse mar de imagens de onde saiu.”

Fluido e misturado

As relações entre os meios audiovisuais e seus desdobramentos políticos e estéticos é uma questão sempre presente na trajetória da Surto e Deslumbramento. No episódio ocorrido em 2012, quando cinéfilos e cineastas locais ficaram indignados com a possibilidade do último capítulo da novela Avenida Brasil ser exibido no cinema São Luiz, Fábio, André, Chico e Rodrigo discordaram abertamente dessa posição. “Em vez de se questionar a presença de uma produção da TV Globo num espaço público, num primeiro momento a discussão tomou um rumo muito conservador onde ficou claro que havia preconceito com a televisão e com um produto midiático massivo, o debate mostrava a impossibilidade de uma certa visão estética capaz de incorporar essas referências, uma visão elitista e segregacionista”, observa Fábio.

Para o grupo, por exemplo, ao se falar de referências e influências imagéticas não faz mais sentido separar cinema, televisão e internet. Entre eles há o consenso de que tais referências de uma maneira geral são muito diluídas, vindo de gifts, clipes, games, vídeos do You Tube, etc.. Eles observam que ainda há uma resistência muito grande de reconhecer isso enquanto uma possibilidade de inspiração. “As pessoas sempre perguntam, no momento em que você está fazendo um trabalho, quais foram os filmes que te influenciaram e eu acho que, além dos filmes, existe uma carga de momento muito mais transversal, todavia as pessoas tem uma certa dificuldade de pensar num viés mais fluido e misturado”, completa Rodrigo.

Neste sentido, os integrantes da Surto e Deslumbramento estão sempre atentos aos acontecimentos em sua volta. Foi isso que os aproximou de Sócrates Alexandre, ou Sosha, como é mais conhecido. Ao encontra-lo, Fábio, Chico, André e Rodrigo ficaram encantados pela maneira como ele conseguia mostrar nos seus trabalhos, divulgados no You Tube, um Recife completamente novo e vídeos com trilhas sonoras muito bem escolhidas. Segundo André, os vídeos de Sosha dialogam com os filmes em super 8 de Jomard Muniz de Britto, mas sem ter uma relação fetichista com a bitola. “Eu vejo um diálogo tão grande entre o filme Noturno em Ré(cife) Maior, de Jomard e os filmes de Sócrates porque tem essa coisa de andar pelas ruas com a câmera sem muita decupagem, uma câmera performatizando e mudando o ambiente da cidade”.

O encontro com Sosha repercutiu no grupo, pois questionou o modo tradicional deles próprios encararem o cinema e resultou numa parceria na realização do curta Metrópole. “Quando Sosha perguntou se eu tava com o ovo coçando para fazer um filme com ele, eu disse tou”, lembra André. A sugestão foi repassada para o resto do pessoal e ficou acertado que Sosha ficaria responsável pelas filmagens e a Surto e Deslumbramento pela montagem final. O filme foi rodado em um dia e o grupo embarcou no espírito da produção. “Marcamos para fazer as imagens durante o dia e Sosha chegou às três da tarde e passou horas se maquiando. Quando questionamos se não haveria problema por conta da luz, ele respondeu: ‘não, dá prá ir, vamos’, e assim foi feito”, conta Chico. Metrópole foi exibido no Recifest, no FestCine e no Cinerama no Rio de Janeiro.

Casa Forte

O filme seguinte do grupo foi Casa Forte, dirigido por Rodrigo, e que mesclou os processos das primeiras produções da Surto e Deslumbramento. Rodrigo conta que a ideia surgiu da observação dos nomes dos edifícios nos bairros de Casa Forte e Parnamirim, muitos deles ligados ao período colonial e ao ciclo do açúcar em Pernambuco, como Senzala do Megahype. “Eu fiquei receoso que fosse mais um filme sobre prédios recifenses”, lembra. Para escapar disso, Rodrigo acrescentou a ideia de mostrar um rapaz que tivesse uma relação fetichista em relação a negros, um sinhozinho moderno, mas que, ao mesmo tempo, pensasse o corpo negro enquanto um corpo de desejo e estabelecesse um jogo invertido onde o personagem negro subvertesse essa situação.

Inicialmente, Rodrigo queria rodar o filme em super 8. “Como era um filme sobre fetiche, eu queria pensar simultaneamente no fetiche da imagem, mas Chico me convenceu que quase ninguém iria fazer essa leitura e foi uma decisão acertada”, reconhece. Com os textos prontos e os atores escolhidos, um casal de amigos, ele e Chico fizeram um mapa dos prédios a serem filmados. “Em três dias concluímos esta parte. A parte final com os protagonistas resolvemos fazer nos jardins do casarão da Fundação Gilberto Freyre, mas deu tudo errado porque não nos deixaram entrar. Foi quando lembrei do casarão no Açude do Prata, em Dois Irmãos, e desta vez deu tudo certo, era como se os planos que eu tinha imaginado acontecessem ali na hora”, conta Rodrigo.

Casa Forte recebeu em 2014 diversos prêmios, como o de Melhor Filme Pernambucano no II Recifest, a Menção Honrosa do júri oficial do 25º Festival Internacional de Curtas Metragens de São Paulo e tem circulado em diversos festivais e mostras pelo Brasil. Em novembro do ano passado foi ainda exibido no 23th New York Queer Experimental Film Festival. O filme marca também o início de uma reflexão maior do coletivo sobre os processos de realização, pois apesar de algumas dificuldades terem sido resolvidas pela criatividade, para os novos projetos que estão em andamento há necessidade de novos aportes técnicos.

É o que está acontecendo com a realização de Como Era Gostoso Meu Cafuçu, também dirigido por Rodrigo. É o primeiro filme do grupo com uma decupagem mais próxima da narrativa clássica. Como tem diálogos, as gravações na rua com som direto foram muito difíceis e na iluminação o jeito está sendo usar um tripé com lâmpada normal. “Eu tenho uma câmera Canon 60D, mas para o filme de Rodrigo pegamos uma 5D emprestada, a melhor entre as amadoras”, diz Chico. Rodrigo também comprou uma steadycam. “Às vezes é muito ruim pensar em fazer um plano e não poder executá-lo por falta de recursos”.

deslum2

Desafios

Outro desafio para a Surto e Deslumbramento vai ser rodar o primeiro filme com apoio financeiro. O projeto do curta A Seita foi aprovado pelo Funcultura. André explica que escreveu o roteiro pensando que iria fazer o filme sem dinheiro como Estudo em Vermelho, cujo custo foi de apenas R$ 240, mas por conta dos cenários, do figurino, da necessidade de uma direção de arte e uma fotografia mais cuidadosa, acabou inscrevendo o projeto. Como a lógica do edital exige definição das funções, indicação dos técnicos que vão participar da realização, a produção ganhou um caráter mais profissional. O grupo, no entanto, garante que isso não significará uma mudança do tipo de atitude que eles mantém até o momento. “Eu conversei com Breno César, que deverá fazer a fotografia, e deixei bem claro a intenção de ter uma câmera maleável. Queremos ter a mesma liberdade dos outros filmes. Engessar numa coisa tecnicamente bem feita só pra entrar num circuito profissional, não é nada interessante”, afirma André.

Continuar pensando em filmes de baixo orçamento é uma premissa da qual os quatro rapazes não abrem mão. Chico reconhece que a tecnologia permite um padrão de qualidade de imagem, mas a partir daí o refinamento não está necessariamente ligado com o dinheiro gasto. “Você pode atingir uma excelência de imagem com câmeras que são amadoras e baratas.” Uma atitude mais solta pode coexistir com a sofisticação na hora de pensar a imagem, defende Fábio. E o fato do projeto ter apoio do Funcultura não significará quebrar o modelo de distribuição adotado hoje pelo coletivo. “Quando A Seita ficar pronto vai ser lançado primeiro na internet. Se o filme já está pago na feitura dele, então por que ficar segurando como se fosse um filme comercial?”

Enquanto A Seita não vem, a Surto e Deslumbramento toca o projeto As Quatro Estações, nascido também no meio de uma farra. “Estávamos bêbados e começamos a tirar a onda com os cinéfilos daqui que curtem essa relação meio religiosa com o cinema, com o São Luiz como templo e frases do tipo: esse é um filme para ver de joelhos. E no meio dessa conversa sobre cinefilia resolvemos parodiar as Quatro Estações, do Eric Rohmer, para passar no Janela com o pessoal da primeira fila ajoelhado”, lembra rindo Rodrigo. Brincadeiras a parte, o projeto para cada um dos integrantes do grupo fazer um filme sobre uma das quatro estações do ano já rendeu o curta Canto de Outono.

O filme foi rodado no Rio de Janeiro por André no período em que ele esteve cursando disciplinas do seu doutorado. Mostra um rapaz numa festa em um clima de melancolia e há também uma narração de fundo de trechos do poema Canto de Outuno, de Baudelaire. “Eu queria aprofundar minha pesquisa do diálogo entre cinema e pintura e como criar com a montagem uma atmosfera, um ambiente, porque a festa filmada era alegre, mas ao colocar uma trilha diferente e trabalhar com uma luz artificial, criei uma contraposição”. André diz que a montagem foi demorada por conta de sua visão romântica de deixar as imagens fluírem sem sua intervenção, e para corrigir as lacunas foi preciso longas conversas e observações feitas por todos do grupo, mas ao final do processo ele gostou do resultado. O filme foi exibido no Recifest, no Curta Taquary e já está disponível na internet.

O próximo da lista a ser montado será Inverno. Chico fez as imagens em Montréal durante o doutorado sanduíche no Canadá, mas ainda não as montou, pois nas últimas semanas estava concluindo Virgindade, que acaba de ser lançado. Neste trabalho mais recente, Chico lança mão de histórias de sua adolescência e infância. “São memórias sexuais antes de eu ter feito sexo realmente”.

E assim a Surto e Deslumbramento segue sua trajetória, trabalhando com poucos recursos, lidando com as contingências, mas não se furtando a pensar sobre o que está realizando. E mostrando ser possível a experimentação em que a tônica não é necessariamente fazer o melhor filme com o melhor equipamento, mas variar o fazer. E a aposta na criação coletiva e livre está dando certo. Uma sessão com todos os filmes do grupo foi realizada no Rio de Janeiro em novembro último no Curta Cinema. Embora ainda se considerem quase estreantes, Chico, Fábio, André e Rodrigo ficaram surpresos quando receberam o convite. “Ficamos em estado de choque. Como assim? A gente já vai ter uma retrospectiva?”

deslum3

Cinema de frangagem

Dois dos traços mais marcantes dos filmes realizados pelo coletivo Surto e Deslumbramento são o deboche e o evidente interesse do grupo por uma sensibilidade gay explorada de forma explícita. A começar pelo nome do coletivo. O “Surto” é uma brincadeira com o Vurto, projeto dos documentaristas Marcelo Pedroso e Felipe Peres que tinha, entre outros objetivos, realizar vídeos para analisar o contexto político e social. “Nós concordávamos com o conteúdo político, mas não gostávamos do formato dos vídeos. Eles não causavam surpresas, não eram interessantes e não dialogavam com a lógica de compartilhamento de imagens na internet. Eles eram feitos com esta intensão, mas eram pesados”, argumenta Fábio.

E no espírito de paródia que reina no grupo, Rodrigo propôs criar outra produtora com o nome Deslumbramento, desta vez tirando onda com a Alumbramento, produtora cearense responsável pela realização de filmes como Estrada para Ítaca e Os Monstros.”Os filmes deles nos incomodavam porque são sempre sobre quatro amigos numa situação de realismo lacônico, uma coisa super hétero. Então dissemos: vamos marcar diferença. Não queremos nada com esse realismo lacônico, nossa proposta estética é a do artifício, do exagero, da frangagem”, relembra Chico. Depois de algum tempo a brincadeira acabou, mas ficou os dois nomes.

A postura a favor de uma sensibilidade gay é algo que toca os integrantes do grupo naturalmente. Ela já foi colocada antes mesmo do coletivo se constituir formalmente, quando Chico e Rodrigo participaram do projeto Torre Gêmeas, um longa reunindo a visão de diversos cineastas sobre os dois enormes edifícios construídos no Cais de Santa Rita, no Recife. O trecho deles é uma longa cena com dois rapazes lado a lado, enquadrados da barriga até as coxas, se masturbando até ejacularem. “Houve um incômodo muito grande quando mostramos a cena para Marcelo Pedroso, Felipe Peres e Grilo. Até Grilo que tem a cabeça bem aberta ficou meio sem jeito”, lembra Chico. Eles não queriam colocar a cena, depois queriam deixa-la bem curta, mas Chico brigou para que entrasse o plano completo. “Para contornar eu tive que inventar um discurso político relacionando falo e poder, então eles disseram ok”. Mesmo assim, quando o filme foi exibido surgiram vários comentários dizendo que a cena era um tiro no pé porque tirava a seriedade do filme.

Para André a postura do grupo não tem nada a ver com o ativismo gay nos moldes tradicionais. “Quando penso num projeto, não penso se vai ter um gay na história ou dois homens se beijando. Estou interessado na pesquisa estética que eu quero desenvolver e praticar, que tem a ver com a beleza, com o artificialismo, é bem pintoso, ou seja, é fora dos padrões héteros”. Fábio observa que fazer um filme inspirado em Valesca Popozuda ou Kate Bush é um indício de que não é necessariamente o corpo gay em cena quem define essa sensibilidade. “São ícones e para a galera hétero entender esse contexto não é fácil”.

O estranhamento, porém, não ocorre apenas entre os heterossexuais. Chico destaca que os festivais gays criaram um certo público que espera temas envolvendo diretamente as questões homossexuais. Ele acha curioso, por exemplo, Estudo em Vermelho ter sido exibido na Mostra de Tiradentes, no Curta Cinema e não ser aceito no Mix Brasil, no Rio Gay e nem no For Rainbow. “No meu ponto de vista a falta de um rótulo hétero é um problema maior do que a existência do rótulo gay. É preciso tirar a norma do hétero porque enquanto norma ele some. Ele não é marcado”, diz Chico, que gosta de afirmar o rótulo gay, mas para problematiza-lo.

Fábio observa que nos filmes da Surto e Deslumbramento a questão não é brigar pela representação do personagem gay, mas mostrar que se o gay é um nicho, já que não se consegue escapar a essa marca de gênero, o hétero também é um nicho e os filmes de macho dialogam com um tipo de sensibilidade heterossexual, portanto não se pode reivindicar para eles uma suposta universalidade.

FICHA TÉCNICA
Autorretratos por Surto & Deslumbramento.
Site oficial: http://deslumbramento.com

Holofotes é um blog da Revista O Grito!. Todos os direitos reservados. © 2013–2018