Hercules and Love Affair (Foto: Jason Nocito/ Divulgação)

Hercules and Love Affair puts the disco on
Por Hiran Hervé

HERCULES AND LOVE AFFAIR
Hercules and Love Affair
[DFA, 2008]

A DFA records, selo dos rapazes do LCD Soundsystem e que tem em seu time Juan Maclean, Hot Chip e The Rapture parece não se cansar de lançar artistas bacanas e que se tornam hypes em curto espaço de tempo. O mais novo queridinho da gravadora e das pistas se chama Hercules And Love Affair, projeto do DJ/produtor, Andy Butler. Na nova empreitada, Andy se juntou com Antony Hegarty, vocalista da Antony and The Johnsons, Kim Ann, DJ e conhecida designer de jóias em Nova Iorque e a sexy-competente Nomi, cantora de modern soul.

Todo esse tititi começou em meados do ano passado quando “Blind”, umas das músicas de seu primeiro disco, vazou e tomou os headphones dos amantes da disco music. Para os que estão se satisfazendo com a volta do estilo nos clubes, não tem do que reclamar. É bem produzida, cheia de elementos como todo bom disco e ainda com a voz de Antony, que desde suas primeiras aparições e participações com outros artistas como Björk, provou que tem timbre único.

No álbum, Andy abre espaço para faixas de exclusiva sonoridade disco como em “Athene”, baladas como em “Iris” com vocal de Kim Ann até o groove/funk dos trompetes em “Hercule’s Theme”. Desde a capa até as últimas notas se percebe a leveza de Hercules and Love Affair. Leveza que parece representar a liberdade do grupo, e não a fragilidade. A novidade e a mescla de estilos são crucias na criação, mas não esquecendo do background de cada membro em adicionar suas características na música.

Hercules tem uma ponta de estilos americanos, mas faz seu próprio som, assim como os bons artistas dessa nossa atual conjuntura pós-moderna. Indefinível em uma palavra apenas. Hercules é funk/soul/groove/disco/house. Ah, e hype também. Mas no fim das contas isso nem é tão importante assim para nossos ouvidos.

NOTA: 8.0

Sem mais artigos