Foto: Divulgação.

Foto: Divulgação.

A festa Grève estreia no próximo sábado (15) no Profana Club e traz show de Graxa e discotecagem de Evandro Q?. A festa começa às 22h e os ingressos custam R$ 15,00 (preço único).

Leia Também: Uma conversa e um faixa a faixa com Graxa

A atração musical a inaugurar a Grève! será o pernambucano Graxa, que vai apresentar, ao vivo, o repertório do novo Aquele Disco Massa. Cantor e compositor, Graxa ganhou seu codinome originado por seu ambiente de trabalho (uma oficina mecânica). Hoje é considerado um dos principais representantes do movimento conhecido como Cena Beto. Integrou bandas como a Insites e a Kazoo Orquestra, banda que acompanhava D Mingus.

Nas pick-ups, Evandro Q? promete dar um adeus ao marasmo ao passear por sonoridades como protopunk, new wave, post punk, post-rock, indie rock, madchester, brit pop, indie folk, rock eletrônico, grunge, psicodelia, noise rock, psychobilly, garage rock, krautrock, dream pop, entre outros. Nome por detrás do extinto bar Garagem 27 (nas Graças), ele também é o nome por trás do IRAQ – sua residência, que se transforma nos fins de semana numa espécie de pub proibido frequentada unicamente por quem é convidado e onde acontecem lançamentos de livros e pequenas apresentações artísticas.

A produção é de Claudia Aires, que retorna às produções musicais após anos estabelecendo a sua Nuvem Produções, voltado para artes plásticas. Para a primeira edição, a arte do evento ficou por conta da designer Cecília Torres.

E a Grève!? A definição do nome remete aos espaços permeados por rios. “terreno plano composto de cascalho ou areia à margem do mar ou do rio”. Em Paris, local conhecido como Place de Grève tornou-se o mais importante porto da Cidade e, posteriormente, local testemunha de execuções por guilhotina e onde surgiriam movimentos de protestos, originando a palavra ‘grevista’.

Segundo Evandro Q?, “O nome da festa vem desta relação que existe entre a manifestação de lazer e contestação do trabalhador, já que se trata de uma festa de rock-gênero que se traduz como um fenômeno surgido entre trabalhadores (negros e brancos caipiras) que se juntavam para rebeldemente tocar sua música bastante agressiva”, disse Evandro.

A Profana Club fica Rua Tomazina, 112, Recife Antigo.

Ouça o novo disco de Graxa:

Sem mais artigos