fa0002-1.jpg

HQ online Freak Angels é a mais sofisticada experiência online dos quadrinhos
Por Paulo Floro

FREAK ANGELS
Warren Ellis (texto) e Paul Duffield (arte)
[Na internet: www.freakangels.com, em inglês; gratuito]

O escritor Warren Ellis é um dos mais inventivos autores de quadrinhos, e parece, um dos mais hiperativos também. No ar desde o dia 15 de fevereiro, Freak Angels é a sua nova série, ao lado do desenhista Paul Duffield. É a primeira HQ online do autor e uma das mais comentadas nos últimos anos.

Com capítulos semanais, a trama é uma ficção futurista sobre seis jovens telepatas nascidos ao mesmo tempo numa Londres pós-Fim do Mundo. Até agora, já foram disponibilizados quatro episódios, com seis páginas cada um. Cada página é divida em dois ou quatro quadros, o que não torna a leitura cansativa em nenhum momento.

Os diálogos dos personagens, algo marcante em Ellis, são realistas e afiados. Até agora já apareceram quatro “freak angels”, KK, a protagonista, o fleumático Connor, além do distante Karl, que não aceita se unir ao grupo. No capítulo quatro, no ar esta semana, conhecemos Mike, divagando pelado como um mendigo.

Ellis constrói uma trama simples, mas cheia de pequenos ganchos. Apenas com a ambientação, sabemos que Londres foi destruída e está quase toda submersa pelo rio Tâmisa. Um outro entendimento, a partir dos diálogos leva a crer que os “angels” tem alguma ligação com o fim do mundo. Como fio condutor temos Mark, um dos seis telepatas que cometeu um assassinato e agora está desaparecido.

Dentre várias experiências com quadrinhos online, Freak Angels é a que melhor . Mais do que apenas colocar scans no site, Ellis e Duffield conseguiram criar uma linguagem que funciona bem na tela do computador. As cores, o ritmo, tudo foi pensado para passar sensação de fluidez, mais ou menos o que sentimos ao passar as páginas de um gibi. Mérito de Ellis por seus diálogos e evolução da trama, e sobretudo de Duffield, que inventou o modo mais sofisticado de se fazer HQs online.

Nesse quesito, mais uma vez as majors ficaram para trás. A Marvel e a DC iniciaram suas HQs online já obsoletas. A primeira chegou a cobrar tanto quanto as revistas de papel por histórias digitais. A DC, um pouco mais avançada no entendimento de novas perspectivas de mercado, lançou a série 52 primeiro na internet, numa parceria com o site MySpace. Mas ainda engatinha no que a web pode oferecer, tanto em recursos quanto audiência.

Enquanto isso, pululam na net, blogs e foruns que disponibilizam scans de HQs inéditas. Fenômeno recente, os scans encontraram público no Brasil, onde a diferença de um ano, em média, na publicação das histórias motiva downloads de séries ainda não lançadas. Freak Angels aponta para novas possibilidades na arte sequencial. Interativa, é possível comentar os episódios no fórum do próprio site. Ellis afirmou que já tem várias páginas prontas, mas ainda não tem planos para o final. “É uma história aberta”, afirmou.

NOTA: 8,0

Sem mais artigos