Foto: Fernanda Chemale/Divulgação.

Foto: Fernanda Chemale/Divulgação.

O Recife é um lugar diferente dos outros. Aqui as coisas acontecem nas ruas, as pessoas são mais simples. A cultura é mais democrática”. O depoimento do cantor gaúcho Wander Wildner, apesar de haver opiniões divergentes sobre essa tal democracia cultural na capital pernambucana, revela sua admiração pela cidade. Ligado com a cena musical recifense desde os anos 1990, o cantor lança o novo trabalho Mocochinchi Folksom, nesta quinta-feira (13), a partir das 22h, no Estelita. Na janela local, a olindense Catarina Dee Jah e banda esquentam o local com as ácidas músicas de Mulher Cromaqui, lançado ano passado.

Firme em suas colocações, tem consciência do desafio que enfrenta fazendo show independente em tempos de megaproduções nas casas de festa. “Eu sou o Som da Rural (em referência ao projeto do amigo Roger de Renor). Sou uma minoria que consegue fazer o que gosta com a música, seja onde for”, atacou.

Veja a entrevista que nossos parceiros do NE10 fizeram com Wildner.

Leia Mais
Catarina Dee Jah fala sobre Mulher-Cromaqui

Sem mais artigos