El Perro del Mar (Foto: Divulgação/ Johanna Hedborg)

Alegria e dor sublinhadas
Por Hiran Hervé

EL PERRO DEL MAR
From The Valleys To The Stars
[Licking Fingers, 2008]

valley.jpgSarah Assbring é El Perro del Mar. Sueca com codinome espanhol. Banda de uma mulher só. Características para um artista que chamam atenção e trazem a tona se este for de boa qualidade. Assbring iniciou a carreira em meados de 2003, quando começou a produzir após uma viagem a Barcelona. Já em 2004 Assbring lançou três EPs I’ve Been In a Bad Place, I’ve Got Good News, Holiday Special e no fim do ano, What’s New? El Perro del Mar com três faixas: “The Loneliness”, “It’s All Good” e “I Can’t Talk About”. El Perro depois disso trabalhou com o conterrâneo e amigo, Jens Lekman no single Shake it Off. Ela abriu suas apresentações na turnê sueca, abriu os shows de José Gonzalez e até já veio ao Brasil em 2006. Pois é, El Perro del Mar se apresentou pelas bandas de cá com Hells on the Wheel, Lekman e Erlend Oye no projeto Invasão Sueca.

O codinome curioso se originou na tal viagem a Barcelona. Em 2003 ela viaja sozinha para a Espanha para pensar e tentar deixar a depressão de lado. E foi num destes dias sozinha em que ela se inspirou para iniciar um novo projeto. Sentada a beira da praia ela encontra um cachorrinho e logo simpatiza com o animal. Ela voltou ao mesmo ponto da praia nos dias seguintes e lá estava ele. Os encontros conseguiram ajudar Sarah a voltar a escrever música, algo que ela não mais pensava em fazer. Por causa do cachorrinho “terapêutico”, decidiu passar a se chamar El Perro del Mar (o cachorro do mar).

Em seu novo trabalho From The Valley To The Stars, produzido pela própria em seu estúdio em Gotemburgo, é possível perceber influências de funk, soul e tom orquestral, tanto no uso de órgãos como pelo coral de uma voz apenas, a de Assbring. A cantora desde pequena tocava piano e participava de coros no colégio, o que certamente vieram ser de grande importância para sua música. Ela consegue juntar suas influências numa cadência própria, calma e bastante coesa com sua voz também suave.

A vontade de imprimir novos elementos sonoros a música também está presente em seu álbum. Seu trabalho é claramente autoral e essas características são bem visíveis ao ouvir From The Valley. Vê-se que existe a identidade, intenções e sentimentos da artista. E isto é um dos grandes trunfos de El Perro, que produz seu trabalhado organicamente. É de ares como este, vindo de trabalhos de boa qualidade que precisamos.

NOTA: 8,0

Sem mais artigos