Foram divulgados os selecionados para o 2° Festival de Cinema de Triunfo, no Sertão de Pernambuco. De 146 produções inscritas, 47 serão exibidas na mostra competitiva do evento que acontece entre os dias 2 e 7 de agosto no Cineteatro Guarany. Serão distribuídos um total de R$ 26 mil em prêmios para os melhores trabalhos.

Ao todo, foram efetuadas 146 inscrições, nas três categorias: Curta-Metragem 35mm (26); Curta-Metragem Digital (116); longa-metragem 35mm (4). Os filmes e vídeos exibidos durante o Festival de Cinema de Triunfo serão analisados por um júri popular e outro oficial que concederão o Troféu Careta (nome dos personagens característicos durante Carnaval da cidade) às melhores produções. A premiação para ambas as comissões é de R$ 7 (melhor longa 35mm), R$ 3,5 mil (melhor curta 35mm) e R$ 2,5 mil (melhor curta digital). Os inscritos ainda concorrerão em outras categorias específicas, mas que não contam com premiação em dinheiro. São elas: Fotografia, Trilha Sonora, Melhor Direção, Produção, Direção de Arte, Som, Roteiro, Ator, Atriz. A comissão será composta por três a cinco jurados.

Confira os selecionados

CURTA-METRAGEM 35mm: 16 selecionados
A distração de Ivan, de Cavi Borges e Gustavo Mello (RJ)
A maldita, de Tettê Mattos (RJ)
A vida é curta, de Leo Falcão (PE)
Com as próprias mãos, de Aly Muritiba (PR)
Confessionário, de Leonardo Sette (PE)
Dez Elefantes, de Eva Randolph (RJ)
Dossiê Rê Bordosa, de Cesar Cabral (SP)
Esboço para fotografia, de Bruno Carneiro (SP)
La dolorosa, de Odilon Rocha (SP)
Menino aranha, de Mariana Lacerda (SP)
Nossos ursos camaradas, de Fernando Spencer (PE)
Os filmes que não fiz, de Gilberto Scarpa (MG)
Restos de Antônio, de Mariska Michalick (RJ)
São, de Pedro Severien (PE)
Silêncios e sombras, de Murilo Hauser (PR)
Superbarroco, de Renata Pinheiro (PE)

CURTA-METRAGEM DIGITAL: 28 selecionados
A casa dos mortos, de Débora Diniz (DF)
A ilha, de Alê Camargo (DF)
A vermelha luz do bandido, de Pedro Jorge (SP
Ave Sangria – Sons de gaita, violões e pés, de Rayana Uchoa, Rebeca Venice e Thiago Barros (PE)
Bartô, de Luiz Botosso e Thiago Veiga (GO)
Calango, de Alê Camargo (DF)
Depois do jantar, de Alba Azevedo e Nana Viana (PE)
DOC. 8, de Christian Schneider (RS)
Eiffel, de Luiz Joaquim (PE)
Enfim dois, de Thiago Vieira (SP)
Feito algodão doce, de Natali Assunção (PE)
Instrumento detector de alguma coisa, de Otto Cabral (PB)
Linha de fogo, de Uirá Meneses e Marcelo Góis (BA)
Mãe, de Luis Antônio Pereira (RJ)
Maridos, amantes e pisantes, de Ângelo Defanti (RJ)
Na terra das monções, de Marcelo Domingues (SP)
O guardador, de Diego Benevides (PB)
O jumento do lua estrela, de Wildes Sampaio (PE)
O plano do cachorro, de Arthur Lins e Ely Marques (PB)
O troco, de André Rolim (SP)
Priarã Jô – Depois do ovo, a guerra, de Komoi Panará (PE)
Quintas intenções, de Mauricio Rizzo (RJ)
Rainha dos degredados, de Tuca Siqueira (PE)
Rua das tulipas, de Alê Camargo (DF)
SomoS SomoS, de André Pyrrho e Paulo Leonardo (PE)
Sweet Karolyne, de Ana Bárbara Ramos (PB)
Tebei, de Gustavo Vilar, Hamilton Costa, Paloma Granjeiro e Pedro Rampazzo (PE)
Teo e sua turma em: O menino que não gostava de tomar banho, de André Rodrigues (PE)

LONGAS-METRAGENS 35 mm: 3 selecionados
Crítico, de Kleber Mendonça Filho (PE)
KFZ – 1348, de Gabriel Mascaro e Marcelo Pedroso (PE)
O grão, de Petrus Cariry (CE)

Sem mais artigos