Depois de muita luta contra os direitos autorias, estréia em 28 de fevereiro, em Madri, a versão musical do relato mais famoso da Segunda Guerra Mundial. O Diário de Anne Frank, um canto à vida, é a versão musical para teatro do best-seller O diário de Anne Frank.

Depois de um teste com 800 crianças, será da cubana Isabel Castillo, de 13 anos o papel de Anne Frank. Isabel também tem uma trajetória de refugiada com a família, primeiro em Belize, depois em Miami. Apesar da tragédia, a produção do espetáculo vai incluir momentos divertidos na montagem. A Fundação Anne Frank, detentora dos direitos da obra desde 1959, não concedia autorização para o uso do relato. Até o cineasta Steven Spielberg, tentou sem sucesso, em 1980, conseguir a licença para filmar a história de Anne.

O livro conta a história da jovem Anne Frank, de 13 anos, escondida com mais 7 pessoas por cerca de dois anos para proteger-se dos nazistas e fugir dos campos de concentração. Apenas Anne, sua irmã e sua mãe, foram vítimas dos campos de concentração. O pai, Otto, sobreviveu ao Holocausto e revelou o diário da adolescente. A produção do espetáculo vai custar R$ 7,8 milhões e será apresentada no teatro Häagen Dazs-Calderón, em Madri.

Sem mais artigos