CUT CITY
Exit Decades
[Gold Standard Labora, 2007]

Boas fórmulas de sucesso se disseminam pelo mundo. Nos Estados Unidos o Interpol, o Editors na Inglaterra, e como representante nórdico, o Cut City – suecos de Gothenburg. A matriz criativa é a mesma: o pós-punk inglês e as guitarras soturnas de bandas como Joy Division.

Quem chega por último, ou não tem força de mídia suficiente, (o caso do Cut City), sempre é deixado para trás. O curioso é que os desconhecidos rapazes fazem um som eficiente. Se não original (quando paramos de exigir isto das bandas novas?), o disco de estréia do grupo adiciona elementos criativos ao conhecido som dark, entre eles o hardcore, e o pop dançante.

“Anticipation” chama atenção por ser uma descarada imitação de uma música do Joy Division. Até os maneirismos vocais foram decalcados. Por outro lado, é dançante, divertida e um pouco mais animada que Ian Curtis. “Damaged”, contribuí ainda mais com a vocação de cover que o Cut City tem.

Chama atenção também as guitarras sujas, as distorções, tudo sem ineditismo, mas coeso e bem produzido. Se evoluir para uma sonoridade particular como fez o Interpol, o Cut City tem tudo para surpreender. [Paulo Floro]

NOTA: 6,5

Sem mais artigos