O RENASCIMENTO DE THOR
Depois de amargar roteiros ruins e fase sem muito prestígio, Deus do Trovão aproveita sucesso do filme e resurge em destaque nas bancas e livrarias

Por Paulo Floro
Da Revista O Grito!

Thor sempre foi um dos personagens mais ricos dos quadrinhos da Marvel. Teve seus momentos bons e ruins, como qualquer personagem, e agora, com o sucesso de bilheteria de seu filme nos cinemas, o público pode conhecer o melhor do Deus do Trovão nas HQs. As histórias não são novas, mas o gancho para publicá-las deve ser comemorado. Uma delas foi lançada em formato luxo, O Renascer dos Deuses e é uma compilação de histórias já publicadas no título mensal Os Novos Vingadores, em 2008. E a outra, mais barata, é um verdadeiro clássico, o quarto volume de histórias do escritor Walt Simonson.

A Panini elevou a importância do personagem, seguindo uma diretriz da editora americana de aumentar seu prestígio e visibilidade. E colocou bons lançamentos para vender mais. Até mesmo a revista mensal do Homem de Ferro mudou de nome para abrigar também o herói asgardiano transformando-se em Homem de Ferro & Thor. É difícil estipular se esse holofote causado por causa de um filme realmente atrai mais leitores, mas neste caso, os antigos fãs saíram ganhando.
_
Leia mais
Crítica do filme Thor
Podcast: Editores do Papo de Quadrinho comentam o filme

Animação: Thor: Contos de Asgard

Na coleção Marvel Deluxe, com capa dura e papel especial, a Panini colocou nas livrarias Thor: O Renascer dos Deuses, uma das histórias mais elogiadas e que trouxe ordem e uma trama coerente num universo que parecia sem rumo. O escritor J. Michael Straczynski deu um novo rumo às histórias que vinham sofrendo com sagas ruins do passado, desinteresse do público e pior, as velhas pontas soltas causadas por uma cronologia complexa. Autor experiente e profundo conhecedor das entranhas da Marvel, ele tornou tudo muito simples, usando a mitologia nórdica de maneira que qualquer leigo possa entender.

O resultado é uma história bem contada que pode servir de entrada para novos fãs saídos das salas de cinema. Na trama, Thor é resgatado por seu alter-ego mortal, Dr. Donald Blake após o Ragnarock, onde todos os deuses asgardianos morreram. Eles trazem de volta os heróis imortais de Asgard, cidade mítica que agora sobrevoa uma pequeno condado em Oklahoma. Straczynski conduz suas histórias através de pequenas cenas cotidianas, que exploram o fato de um ser mágico conviver entre humanos caipiras. Os vizinhos superpoderosos, com seus casacos de peles, couro e armaduras chegam até a participar de uma reunião de moradores.

Há referências também à Guerra Civil, saga onde os super-heróis ficaram divididos sobre uma lei de registro de superseres. Não há referência a isso no livro para contextualizar o leitor, mas os diálogos entre Thor e o Homem de Ferro dão pistas do ocorrido, quando Tony Stark clona o corpo morto do asgardiano e lança contra seus antigos companheiros (contar mais estragaria a leitura).

A conversa é tensa, seguida de uma batalha e deixa ainda mais explícito o talento de autor em prender a atenção do leitor. Uma nota de rodapé não faria mal a ninguém. Os desenhos de Oliver Coipel são simples, limpos, colaborando com a narrativa ágil.

A principal falha da edição é não trazer extras numa edição tão cara e luxuosa. Um novo leitor que tenta se aventurar nos quadrinhos após assistir ao filme corre o risco de ficar perdido mesmo após um investimento tão caro (R$ 42). Era preciso uma explicação melhor e contextualizada sobre o que aconteceu com Thor até aquele momento.

Relembrando tempos bons e ruins
No extremo oposto do êxito que é esse Renascer dos Deuses, a Panini também publica a segunda edição de Marvel + Aventura, título criado para atrair novos leitores. Se essa é a principal questão da editora hoje em dia, fica difícil entender escolhas tão confusas como essa história do Thor. Escrita por Dan Jurgens, saiu originalmente em Mighty Thor 51, numa fase que a chegada de Straczynski veio justamente para consertar.

O plot é o mesmo. Asgard se materializa sobre a Terra, mais precisamente sobre Nova York, só que desta vez Thor é um monarca prepotente. Ao ler as duas obras, fica nítido como a qualidade do roteiro melhorou. É difícil pensar que alguém vai se empolgar em comprar gibis nas bancas depois de ler isso. Por fim, um fato para comemorar é a chegada do quarto volume de Os Maiores Clássicos do Poderoso Thor, com a fase de Walt Simonson.

O autor trouxe histórias épicas com heroísmo, traição e intrigas palacianas para o gibi do Thor e até hoje é elogiado e serve de inspiração para qualquer boa saga com o herói. Muitos chamam de o Thor definitivo. Este encadernado de 196 páginas mostra o momento que o personagem viveu na Terra como Sigurd Jarlson e sua participação na saga Massacre de Mutantes. E o melhor de tudo, o preço: leitura prazerosa por R$ 19,90. Nem tudo está perdido nos quadrinhos de super-heróis.

THOR: O RENASCER DOS DEUS
J. Michael Straczynski (texto) e Olivier Coipel (arte)
Tradução de Jotapê Martins
[Panini, 160 páginas, R$ 42]

NOTA: 7,0

MARVEL + AVENTURA 2: THOR
Dan Jurgens (texto)
Tradução de Fernando Lopes
[Panini, 24 páginas, R$ 1,99]

NOTA: 3,5

OS MAIORES CLÁSSICOS DO PODEROSO THOR
Walt Simonson (texto) e Sal Buscema (arte)
Tradução de Jotapê Martins
[Panini, 196 páginas, R$ 19,90]
[Recomendado]

NOTA: 8,5

Sem mais artigos