Rafael Castro canta o banal e o esdrúxulo no seu autointitulado “punk caipira”

Por Paulo Floro

Com este oitavo disco na carreira (fora o tributo a Roberto Carlos), Rafael Castro, 26 anos, pode dizer que construiu um estilo coeso em um apanhado de referências difícil de congregar: folk, punk-rock, psicodelia, música caipira. Primeiro trabalho em formato físico, Lembra é o primeiro que pode levá-lo a lugares mais afastados do microcosmo que é a blogosfera indie brasileira. O trabalho traz participações de nomes recorrentes e mais famosos de sua geração, como Tulipa Ruiz, Leo Cavalcanti e Pélico.

Castro, natural de Lençóis Paulista, no Interior de São Paulo, seguiu o mesmo modus-operandi de seus discos anteriores: ou seja, gravou tudo sozinho, tocando todos os instrumentos, de forma caseira. Uma força de vontade que é talvez a característica mais marcante desse músico. As letras falam de experiências cotidianas e episódios banais, como uma crônica fútil, mas deliciosa de se ouvir (caso de “Surdo Mudo”, por exemplo, com versos como “eu fico olhando aquele surdo mudo, tentando descobrir o que se passa, em sua cabeça sem barulho”, e a igualmente esdrúxula “Menina Careca”, falando de… quimioterapia!).

“Lixo” foi a primeira a ganhar o clipe. Decisão acertada, já que nesses oito trabalhos lançados até agora, essa faixa é que melhor traduz a proposta de Rafael Castro: jeitão de interior com uma passada bem Raul Seixas. “Let Me Enjoy Myself”, em inglês, é um rock lo-fi que é ideal para quem tiver preguiça de absorver todas as ideias desse álbum: é a mais palatável.

Sem mudar muito em toda essa trajetória, Lembra? parece mais uma estreia para Rafael Castro. Por um lado, isso o dá mais destaque dentro do cenário indie nacional. Por outro, pode causar preguiça em quem já o acompanha há certo tempo. Segurando bem a ironia e humor negro de suas letras, o pop de Castro não tenta ser engraçadinho, mal de muitas bandas, nem se apropriar do jeito matuto como teatro. É tudo verídico.

RAFAEL CASTRO
Lembra?
[Independente, 2012]
Baixe o disco

Nota: 7,6

Sem mais artigos