Lançado direto em DVD no Brasil, 2º filme dirigido por Denzel Washington retrata trajetória verídica de estudantes negros que romperam barreiras

Por André Azenha
Colaboração para a Revista O Grito!, em São Paulo

Voltando a Viver (2002), estreia como diretor de cinema do astro Denzel Washington, contou a trajetória do marinheiro Antwone Fishe, interpretado por Derek Luke. O Grande Desafio, obra que teve entre seus produtores a apresentadora Oprah Winfrey, e segundo trabalho do ator na direção, também investe na vida real de negros que, de alguma forma, tornaram-se mitos da cultura afro-americana.

Assim como naquele filme, Washington também atua. Mas se na produção de 2002 ele foi coadjuvante, aqui ele protagoniza como o verídico professor Melvin B. Tolson, que liderou uma turma de garotos prodígios da Willey College, instituição apenas para negros.

Incentivados pelo tutor, os jovens Henry Lowe (Nate Parker), Samantha Booke (Jurnee Smollett) e James Farmer Jr. (Denzel Whitaker) formaram uma equipe praticamente imbatível de debatedores (daí o título original, “The Great Debaters”; “os ótimos debatedores” em português) entre os anos 20 e 30, primeiro derrotando as principais universidades para negros, e depois, conseguindo um confronto histórico com a toda poderosa Harvard, formada por alunos brancos.

A competição, que não tem tradição no Brasil, reúne duas equipes de estudantes que precisam argumentar e convencer jurados sobre temas pré-definidos.

Apesar do tema que remete a filmes como Meu Mestre, Minha Vida, Escritores da Liberdade e outros longas sobre pessoas que transformaram a vida de outros seres humanos, O Grande Desafio tem personalidade própria.

Washington filma a trajetória dos protagonistas sem apelar para o melodrama, diferente da maneira que Clint Eastwood fez recentemente em Invictus, buscando o choro do público a todo o momento. A história, por si só, já emociona e pode levar às lágrimas. Principalmente quando constatamos que, mesmo após a escravidão ter sido abolida há anos nos EUA, negros eram incendiados no Texas (estado onde se passa a trama), como diz James Farmer Jr..

O roteiro poderia ser mais enxuto, é verdade. A subtrama amorosa entre Henry e Samantha, e a cena em que Farmer Jr. imagina-se dançando com Samantha, não fariam falta ao longa. Mas são deslizes perdoáveis para um diretor novato, como Washington, que não esconde o carinho e a admiração pelos personagens, inclusive o seu, que também atua clandestinamente incentivando trabalhadores (negros e brancos) e lutarem por seus direitos.

Com um elenco notável, que inclui dois vencedores do Oscar (Washington e Forest Whitaker ), e jovens talentosos, O Grande Desafio é um filme digno, admirável e tem grandes momentos de interpretação. Forest, por sinal, está presente naquelas mais impactantes.

Como exemplo, a cena em que James Farmer (Whitaker) atropela um porco e precisa se desculpar com dois homens brancos, que o humilham. Ou quando o mesmo confronta Melvin B. Tolson. Ambos são homens e profissionais de posturas e opiniões diferentes, mas têm respeito um pelo outro e sabem que, apesar das diferenças, desejam o mesmo: igualdade social.

Indicado ao Globo de Ouro na categoria Melhor Filme Dramático em 2008, e vencedor, no mesmo ano, do prêmio Stanley Kramer do Sindicato dos Produtores, o filme sai direto em home vídeo no Brasil e precisa ser descoberto.

Mesmo porque, numa época em que bandidos tem protagonizado cinebiografias, é sempre saudável presenciarmos obras como essa, sobre a vida real de pessoas que fizeram o bem, romperam barreiras sem precisar fazer uso de armas, contando “apenas” com o dom da sabedoria e a fé em suas atitudes.

PS: Durante os letreiros ficamos sabendo os destinos dos principais personagens. Se você não estudou história norte-americana, espere e surpreenda-se.

O GRANDE DESAFIO
Denzel Washington
[The Great Debaters, EUA, 2007]

NOTA: 7,5

Sem mais artigos