Em HQ autobiográfica, Adão retrata-se como gênio e idiota com a mesma intensidade

Por Henrique Amud
Do Pula Pirata

MOMENTOS BRILHANTES DA MINHA VIDA RIDÍCULA
Adão Iturrusgarai
[Zarabatana Books, 64 págs, R$ 39 / 2012]

Nota: 8,0

Adão é notoriamente conhecido por sua parceria/formação de quadrilha nos anos 90 com Glauco, Laerte e Angeli, que são o equivalente à Gil e Caetano no mundo dos quadrinhos, onde pelo menos um deles é citado em 90% das matérias sobre a arte e são eternamente lembrados por suas parcerias, além de existir uma legião de jovens artistas querendo sua benção. Ao contrário dos músicos baianos, Adão e companhia continuaram relevantes, engraçados e dignos da atenção dispensada.

Momentos Brilhantes da Minha Vida Ridícula, de certa maneira, traz o seu humor de sempre, mas em estado mais primitivo, infantil e prazeroso. Ao contrário de suas famosas séries como Rocky e Hudson, Homem-Legenda e, até certo ponto, a tirinha superstar Aline – que carrega algum rastro autobiográfico – as tiras deste novo livro falam exclusivamente de sua vida. E ao contrário de muitos cartunistas que se escoram num violento humor auto-depreciativo, Adão sabe tirar sarro de sua própria cara, de seus amigos, de sua família e de quem mais aparecer pela frente da maneira mais cordial – e ao mesmo tempo filho da puta – possível. A quantidade de vezes em que ele se retrata como gênio e como um grande idiota é praticamente igual.

Falar de sua vida é recontar seu amor pelo Sonic Youth, pequenas anedotas ao lado de gente como Angeli, Fabio Zimbres, Gilbert Shelton, Zed Nesti, Eloar Guazzelli e Paulo Leminski. Ou ainda relembrar de pontos chave de sua tosca vida na Europa; de sua inocente adolescência; causos de seus parceiros ou uma tremenda história das travessuras de seu avô. Tudo isso, ele deixa claro de maneira bem explícita no texto de apresentação, é a realidade como ela deve ter acontecido – se alguém confiar em sua memória. Nada de retocar sua vida para oferecer curvas dramáticas e turbinar as histórias.

Apesar dessa saudosa e engraçada tour pelo gênese de sua carreira como quadrinista e sua amizade com vários mestres, o ponto alto é mesmo a sessão entitulada Roupa Suja. Com uma leve inspiração do casal Aline Kominsky + Robert Crumb, Adão e sua esposa Laura unem forças para contar seu dia-a-dia com dois filhos pequenos num local bastante isolado – antes o Uruguai, agora a Patagônia. A tira é desenhada por ela e, sob seu ponto de vista, só nos confirma que Adão é exatamente do jeito que os leitores o imaginam pela maneira que escreve e desenha seus personagens fictícios.

De bônus nessa viagem hilário-sentimental, temos algumas páginas de histórias sobre ele, contadas pela seleção de amigos André Dahmer, Rafael Coutinho, Laerte, Eloar Guazzelli, Fido Nesti, Zed Nesti, Caco Galhardo, Allan Sieber, Estevan Santos, Arnaldo Branco, Bennett e Gustavo Sala. Uma bela cereja para o topo do bolo desta bela edição da Zarabatana. Bom, tudo isso para falar que esse texto é inútil, mera formalidade. Você não precisa saber de nada para saber que precisa de Momentos Brilhantes da Minha Vida Ridícula em sua estante.

* O texto foi produzido pelo Pula Pirata, site especializado em quadrinhos, com foco no independente nacional.

Sem mais artigos