Obra do autor canadense, A Vida é Fraca se Você Não Fraquejar desperta gatilhos de memória e mostra como pano de fundo a jornada em busca de um cartunista desaparecido

O quadrinista canadense Seth é um dos artistas mais celebrados de sua geração, mas pouco conhecido (e publicado) no Brasil. Por isso é de se comemorar o fato de que um dos seus livros mais antigos, A Vida é Boa Se Você Não Fraquejar, tenha chegado por aqui em uma bonita edição pela Mino. A edição saiu no início do ano, mas segue fortemente recomendada.

O livro faz parte de uma série chamada Palookaville, que Seth vem publicando desde os anos 1990. A proposta é refletir sobre a própria existência através de suas andanças, memórias e relacionamentos amorosos. O autor canadense é um dos pioneiros das HQs autobiográficas, mas seu trabalho vai além. Consegue despertar gatilhos emotivos e nostálgicos no leitor através de situações bem particulares, carregados de melancolia.

Nesta obra ele parte em busca do paradeiro de Kalo, um cartunista obscuro que trabalhou na New Yorker nos anos 1950 e cujo paradeiro é desconhecido. Como um obcecado por cartunistas de jornais do século 20, Seth começa a seguir rastros desse autor desaparecido, o que serve de ponto de partida para a HQ.

Misturando ficção e realidade (Kalo é um autor inventado), Seth usa o mote da investigação para fazer uma viagem que mistura memórias com reflexões existenciais, sempre com doses de pessimismo. Com seu traço minimalista, o autor usa os recordatórios como condutor da narrativa, nem sempre de forma textual. Enquanto vemos, em imagens, seu personagem andando pelas ruas canadenses, o texto dos recordatórios exprimem lembranças e pensamentos. Isso cria uma experiência interessante de vivenciar a história, o que é potencializado pela característica temporal da leitura de quadrinhos.

A obra também consegue fazer um bom uso das passagens mudas, dos planos que destacam cenas triviais do ambiente, como forma de criar um painel afetivo daquela experiência.

A Vida é Boa Se Você Não Fraquejar tem a capacidade de criar uma conexão com o leitor justamente pela habilidade de Seth em criar um clima nostálgico, que apela para o modo como ressignificamos nossas memórias. Desde passagens tidas como insignificantes até eventos que mudam nosso cotidiano para sempre, as memórias ajudam a moldar quem somos. A HQ é uma ótima porta de entrada para o trabalho de Seth, que, esperamos, apareça mais por aqui.

A VIDA É BOA SE VOCÊ NÃO FRAQUEJAR
Seth
[Mino, 196 págs, R$ 64,90]
Tradução: Dandara Palankof

Compre online: Amazon | Mino

Sem mais artigos