Foto: Divulgação.

Foto: Divulgação.

traz retrato comedido de um personagem incrível

Um dos personagens mais interessantes da ciência, Alan Turing sempre se mostrou um mistério, tanto em vida quanto após sua morte. Não há registros em vídeo para sabermos como se comportava ao vivo e há poucos registros escritos sobre seu cotidiano. Por isso o desafio tão grande de e do diretor , ambos indicados ao Oscar, para representar o cientista no longa O Jogo da Imitação.

O filme conta a história de Turing através de dois viés: o da batalha silenciosa contra a homofobia e da corrida contra o tempo para desvendar os códigos criptografados dos nazistas, em 1940. A direção sóbria e até um tanto didática cumpre um papel primordial de revelar a importância do matemático ao mundo, já que sua história ficou esquecida até há poucos anos.

Responsável por quebrar a máquina nazista Enigma, Turing fez parte de um grupo que levou os Aliados a vencer a Segunda Guerra Mundial. Batalhas como Stalingrado e o Dia D não teriam sido possíveis sem a criação de um equipamento que interceptou e decodificou os planos de Hitler e seus comparsas. Os estudos dessa descoberta levaram à criação do computador que conhecemos hoje.

No plano pessoal, Turing foi perseguido por ser homossexual, anos após o fim da guerra. Ele foi condenado a se submeter a um tratamento hormonal para não ir para a prisão. Acabou cometendo suicídio.

Foto: Divulgação.

Foto: Divulgação.

O filme faz parte de um tipo bem reconhecível durante as temporadas de premiações: inglês, impecavelmente bem montado e dirigido, sem nenhuma ousadia estética e com atores atuando fora da zona de conforto. São chamados de “oscar bait” (iscas de Oscar). O elenco é incrível e traz atuações memoráveis de Kiera Knightley, também indicada ao Oscar e Matthew Goode (o Sr. Lannister, de Game Of Thrones). Mas o roteiro segue uma linha costurada por clichês, arroubos dramáticos e muito didatismo.

Para um personagem tão rico e ainda bem pouco conhecido, O Jogo da Imitação se mostrou recatado demais. Seu maior mérito ficou mais no campo político, por fazer justiça com um dos maiores nomes da ciência, do que propriamente artístico. [PF]

imitacaoO JOGO DA IMITAÇÃO
Morten Tyldum
[The Imitation Game, ING/EUA, 2015 / Diamond]
Com Benedict Cumberbatch, Keira Knightley

7,5

Sem mais artigos