faroestecaboclo2_620x465

NÃO TINHA MEDO TAL JOÃO, ETC…
Com medo de desagradar, Faroeste Caboclo se arrisca pouco, mas acerta ao tratar da questão racial sem muito rodeios

Por Paulo Floro
Da Revista O Grito!

Ao final do filme Faroeste Caboclo, saímos do cinema com a impressão que o diretor estreante René Sampaio conseguiu se apropriar de alguma maneira da história criada pelo compositor e líder da Legião Urbana na canção de mesmo nome. E ainda por cima, conseguiu dar vida a uma Brasília que não existe mais e que foi bem ambientada em tela. Mas, o longa tropeça na própria pretensão de atingir um público amplo amante da música, abrindo mão de qualquer ousadia ou desafio de linguagem.

Leia Mais
Faroeste Caboclo: As diferenças entre música e filme
Crítica: Somos Tão Jovens faz retrato raso de Renato Russo

NE10: Veja a programação dos cinemas no Grande Recife

É o que podemos chamar de “efeito Malhação” na juventude brasileira dos anos 2000, pouco disposta a encarar obras que tentem quebrar qualquer paradigma, que sejam disruptivas. Por isso, na linguagem, Faroeste Caboclo segue uma fórmula muito correta com o cuidado imenso em ser comedido com uma possível grande audiência (a aposta no sucesso de bilheteria é alta). Então temos uma violência plástica, bem encenada, mas sem choque. O sexo, higiênico, mais parece uma performance de dança.

Faroeste-Caboclo-1

Este direcionamento mais brando na linguagem e na narrativa acaba fazendo um link com as mudanças que o roteiro (assinado por Marcos Bernstein, o mesmo de Somos Tão Jovens) fez na história de Renato Russo. Aqui, o eixo central foi deslocado para a história de amor proibida entre João de Santo Cristo, um retirante que se tornou traficante em Brasília e Maria Lúcia, uma menina burguesa filha de um senador. No drama de não poderem ficar juntos, conhecemos o gritante racismo do país na época da ditadura militar e a disparidade na luta de classes na capital do país. No original, Renato Russo fez de João um outsider desde os primeiros versos. É um anti-herói revoltado, violento e não uma espécie de mártir, um injustiçado, como é o caso no longa.

Mas é injusto julgar o longa apenas por essas mudanças no argumento da história. Um dos seu maiores méritos foi tratar da questão racial sem muito rodeios e ainda mais em uma obra pop, de muito apelo. As mudanças no roteiro, além de outros trechos inventados, fez com que o diretor René Sampaio criasse uma obra própria, com uma assinatura. Ao lado da fotografia de Gustavo Hadba (Lula, O Filho do Brasil), ele criou uma Brasília de antigamente, formada por pessoas deslocadas, entediadas e com uma juventude que tratava com cinismo a falta de democracia. É nesse ambiente que o filme insere a questão das drogas. Ao final, o faroeste propriamente dito, ganha cores tarantinescas nas cenas finais em um final conhecido pelas diversas gerações que aprenderam de cor a letra criada por Renato Russo.

Ao final, diz a letra, João de Santo Cristo queria apenas falar com o presidente sobre problemas dos brasileiros. No filme, seu maior sonho era ter uma boa vida com a mulher que amava.

faroesteFAROESTE CABOCLO
De René Sampaio
[BRA, 2013 / Europa Filmes]

Nota: 7,4

Sem mais artigos