ELETRÔNICO DO FREEZEPOP É PASSADO

Freezepop (Foto: Rick Webb)

FREEZEPOP
Future Future Future Perfect
[Cordless Recordings, 2007]

freezepop-future-future-future-perfect-capa.jpg Se para muitos o synth-pop já caducou há tempos, outros ainda acreditam numa revitalização do gênero. O Freezepop está no segundo grupo, sem, contudo, propor algo de minimamente criativo. O grupo formado em Massachussets em 1999 se tornou conhecido por suas participações em trilhas de games como Guitar Hero e Flash Flash Revolution.

Liz Enthusiasm é pretensa musa electro assim como Elys Pynoo do Vive La Fête, mas sem sensualidade e sarcasmo. Liderando sua banda, consegue alguns bons momentos, como “Brian Power” e “He Says She Says”, mas não chega nem ao estágio de estranhamento. A impressão é de uma ressaca auditiva. Já ouvimos isso antes e melhor. A profusão de similaridades com coisas boas e ruins realizada nos últimos dez anos é grande. Enquanto o gênero vive um criativo período, apontando para novas direções e público renovado, o Freezepop tenta retornar ao passado. Não por uma questão estética e mais por falta de força.

Se a banda ainda acredita que o público consumidor de música eletrônica é conservador e nisso se baseou este disco, pode quebrar a cara. Com influências de jazz, indie-rock e hip-hop, o eletrônico não encontra fronteiro e não admite sub-gêneros estáticos e intransponíveis, como era lei num passado próximo. [Paulo Floro]

NOTA: 3,0

Sem mais artigos