VAMPIRO ASSISTENTE
É difícil saber se Paul Wentz quis criar mais um filme de sucesso com sanguessugas ou se fez homenagem aos filmes de terror trash antigos

Por André Azenha
Colaboração para a Revista O Grito!, em São Paulo

Oficialmente esse é o primeiro longa-metragem como diretor de Paul Weitz sem a colaboração do irmão mais novo Chris. Apenas oficialmente. Já que Paul, em Circo de Horrores: Aprendiz de Vampiro, realizou um filme que traz elementos das obras dirigidas pelo parente como A Bússola de Ouro e A Saga Crepúsculo: Lua Nova. Ou seja: fantasia e vampiros. Nesse, a trama á baseada na série popular de livros de Darren Shan, publicados no Brasil pela Editora Rocco.

O jovem ator oriundo da TV, Chris Massoglia – que iniciou a carreira em Law & Order: Criminal Intent, quando ainda adotava o nome artístico Chris Kelly e depois atuou em poucos longas – protagoniza como Darren, adolescente que leva uma vida certinha para corresponder às expectativas dos pais exigentes e caretas.

Certo dia, ele e o melhor amigo decidem visitar um Circo de Horrores que aportou na cidade. Entre as figuras esquisitas estão dois vampiros (John C. Reilly e Willem Dafoe) “do bem”, que há séculos evitam uma guerra com outra espécie, maligna, de sanguessugas. Acontece que Darren acaba virando objeto de desejo entre essas duas tribos vampirescas. Transformado e treinado pelo vampiro interpretado por Reilly, terá que enfrentar o antigo amigo, que também foi transformado, tentar salvar sua família e evitar a guerra entre os dentuços.

Ao assistir o filme, fiquei na dúvida se Paul Weitz desejou criar um novo sucesso na linha dessas aventuras fantasiosas que têm lotado as salas de projeção pelo mundo afora nos últimos anos, já que reuniu um elenco de respeito, ou se tentou, simplesmente, realizar um longa sem maiores pretensões. Pois Aprendiz de Vampiro tem jeitão de filme B, que mistura antigos filmes de terror trash de décadas atrás com as comédias adolescentes dos anos 80.

Se a opção for a segunda, ele saiu-se muito bem. Pois os efeitos visuais não são nada convincentes (vejam a figura do homem-logo, como exemplo, uma fantasia descarada) e os atores têm, provavelmente, as atuações mais caricatas de suas carreiras.

Mas quer saber? Tudo acaba soando divertido e curioso, mesmo com o roteiro irregular (que tenta abordar ainda a situação do filho reprimido pelos pais). É o oposto ao romance casto de “A Saga Crepúsculo”.

Temos a chance de ver atores que geralmente levamos a sério, como John C. Reilly (na pele do vampiro treinador), Ken Watanabe (de Batman Begins e O Último Samurai, interpretando um homem gigante e cabeçudo) e Willem Dafoe (Anticristo) que tem rápida aparição, também como vampiro (aliás, ele simplesmente some da trama sem maiores explicações) em situações toscas. E até a bela Salma Hayek não tem medo de aparecer barbada. Os atores mirins também correspondem.

Talvez, devido à abordagem trash e um eventual clima de comédia pastelão, Aprendiz de Vampiro passou despercebido nos cinemas norte-americanos e sai direto em home vídeo no Brasil. Mas corresponde ao melhor do gênero e ao título que tem: circo de horrores. Os horrores, no caso, não são os seus defeitos enquanto filme, mas seus personagens bizarros que têm tudo para agradar aos fãs de produções do tipo. Vale como curiosidade e para quem está cansado de ver o novelão entre Edward e Bella, casal de Crepúsculo.

CIRCO DE HORRORES: APRENDIZ DE VAMPIRO
Paul Weitz
[Cirque du Freak: The Vampire’s Assistant, EUA, 2009]

Sem mais artigos