Foto: Ludmila Azevedo/Divulgação.

Foto: Ludmila Azevedo/Divulgação.

Segundo disco de segue a trilha do indie-folk melancólico

O mineiro Leonardo Marques, da , lança seu segundo trabalho solo apostando no folk rock. Curvas, Lados, Linhas Tortas, Sujas e Discretas é uma espécie de trilha afetiva e incrivelmente íntima que segue a trilha de bardos igualmente solitários como José Gonzalez, Nick Drake, Eliott Smith, entre outros.

Leia Mais
Of Montreal lança novo exercício de experimentação
Camarones Orquestra Guitarrística na batida
Tulipa Ruiz longe do óbvio

O disco é lânguido e delicado, com faixas cantadas ao nível quase do sussurro. O tom introspectivo é levado por um instrumental delicado e meticuloso, todo executado por Marques. E são muitos instrumentos: piano, banjo, violão, guitarra, percussão, mellotron e outros. Apenas a bateria foi assinada pelo colega Pedro Harnan.

A trama escondida nas elegias de Marques fala de um garoto saído de sua terra natal bucólica para a cidade grande. Essa história de inadequação e superação, já contada tantas vezes, encontrou a trilha perfeita nesse segundo disco do músico. Para arrematar, a obra traz ainda uma regravação de “Um Girassol da Cor do Seu Cabelo”, dos conterrâneos Milton Nascimento e Lô Borges. [Paulo Floro]

leonardoLEONARDO MARQUES
Curvas, Lados, Linhas Tortas, Sujas e Discretas
[La Femme Qui Roule, 2015]

7,5

Sem mais artigos