Foto: Divulgação.

Foto: Divulgação.

Interpol reforça estilo próprio no melhor disco do grupo em uma década

Por Paulo Floro

Até onde uma mesma fórmula pode alcançar a mesma eficiência antes de atingir o estágio da pura repetição? A banda nova-iorquina Interpol parece viver esse dilema neste novo El Pintor, um disco impecável dentro da estética do grupo, mas sem ideias relevantes que superasse qualquer expectativa.

Leia Mais
Interpol trabalhado no boxe no clipe de “Twice As Hard”

Minimalista e soturno, este é o disco que mais se aproxima das origens da banda. Quando surgiram em 2002 com o clássico Turn On The Bright Lights, eles fincaram o pé em um estilo marcado por muitas guitarras agudas, um tom sorumbático para os arranjos e um predileção pelo drama que pegava inspiração do gótico e também do pós-punk inglês dos anos 1980-90.

Ao longo dos anos, o Interpol experimentou outras sonoridades, chegando a flertar com o pop, caso de Our Love To Admire, de 2007. Desde o homônimo Interpol (2010) que a banda tenta retomar sua personalidade dark com faixas que não tentam fazer média com o estado de espírito do ouvinte. Como no primeiro trabalho, muitas das faixas deste novo disco seguem a montanha-russa de andamentos, passando das guitarras aceleradas para as pausas bruscas com o tom de lamento em uma única faixa.

Produzido por James Brown e mixado por Alan Mouder (responsável por trabalhos de My Bloody Valentine e Smashing Pumpkins), o álbum segue a trilha construída pelo grupo, descontando os acidentes de percurso. O tempo todo eles parecem se autorreferenciar, como se precisassem firmar um compromisso com sua audiência na busca pelos tempos áureos da estreia. Até o nome do disco, El Pintor, é nada mais do que um anagrama do nome do grupo.

É uma estratégia interessante e que mostra um compromisso com o legado construído. “My Desire” e “All the Rage Back Home” não devem em nada aos melhores momentos do início dos anos 2000. Já “My Blue Supreme” soa como uma tentativa de refazer as baladas elegantes e tristes como vimos em “Say Hello To The Angels”, da estreia. O disco não tem um impacto emocional imediato, mas tem potencial de criar laços com o ouvinte. O mais importante foi alcançado: é o melhor disco do Interpol em uma década, o que não é pouco.

interpol_INTERPOL
El Pintor
[Matador, 2014]

Nota: 7,0

https://www.youtube.com/watch?v=m05f7Fsgv_s

Sem mais artigos