Foto: Divulgação.

Foto: Divulgação.

segue desconstruindo o hip hop em disco colaborativo com

Piñata é o disco de estreia da colaboração entre os rappers Freddie Gibbs e Madlib, este último um aclamado MC e produtor que já colaborou com nomes como MF DOOM e J Dilla. Foi ele um dos responsáveis por um dos melhores discos de rap de todos os tempos, Madvillainy, de 2004, que trouxe o gênero a um patamar de sofisticação até então nunca alcançado.

Leia Mais
Titãs retornam ao rock de protesto
St. Vincent mais aberta e emotiva no novo disco
Mac Demarco vence pela estranheza

Com Piñata ele mais uma vez promove a fusão do hip hop com jazz, eletrônica, além de incluir samplers e remixes que conferem um tom nostálgico em algumas passagens. O trabalho foi cercado de grande expectativa e alimentou a ideia de que teríamos mais uma quebra de barreiras no estilo. Não superou o que fez ao lado do Madvillain, mas ainda assim é um dos trabalhos mais instigantes para quem é fã do gênero.

Com 17 faixas e pouco mais de uma hora de música, Piñata é monumental em sua proposta de desconstruir o chamado “Gangsta Rap”. Além disso conta com o primeiro time do rap independente, como Earl Sweatshirt, Danny Brown, Domo Genesis, Scarface, Ab-Soul, Casey Veggies e Mac Miller, todos com bons discos lançados recentemente.

O disco é inventivo na maior parte do tempo, com o tom esquizofrênico que já conhecemos de Madlib. Cheio de loops vocais, faixas incidentais e diálogos, é um trabalho para ser apreciado como obra única e conceitual, ainda que não tenha um tema ou narrativa central. Ainda mais: precisa ser apreciado nos seus milhares de detalhes, de preferência com fones de ouvido, o que já era esperado dada a experiência do rapper na produção.

O álbum só não é melhor porque frustra ouvintes veteranos de Madlib, que percebem certa repetição em alguns movimentos. Para quem quer uma porta de entrada nesse hip hop que força algo além do básico, é altamente recomendável. [Paulo Floro]

Madgibbs-pinata-coverFREDDIE GIBBS & MADLIB
Piñata
[Madlib Invazion, 2014]

Nota:7,5

Sem mais artigos