Crítica-Disco: Dingo Bells faz legítimo pop brasileiro com Todo Mundo Vai Mudar
NOTA8
Votação do leitor 3 Votos
5.6

Depois do ótimo Maravilhas da Vida Moderna (2015), a banda gaúcha Dingo Bells retorna com mais uma seleção de músicas em que tratam do cotidiano de forma afetiva. Todo Mundo Vai Mudar, que sai agora de forma independente, lança esse olhar sobre coisas prosaicas, pequenos detalhes da vida, momentos que quase nunca pensamos demoradamente.

É uma linha estética e poética já vista com sucesso na literatura e na música e chega aqui com uma produção muito bonita, sofisticada, repleta de boas ideias de arranjos e interpretação. A banda volta a buscar influências no folk-rock, mas seu repertório tem um sabor mais local, com ecos de brega-punk, soul music BR e pop legitimamente nacional. As ótimas “Ser Incapaz de Ouvir” e a faixa-título estão aí para provar.

Pelas imagens que forma com letras quase existencialistas, esse novo trabalho se destaca primeiro pelas composições. Um álbum que esbanja simplicidade, mas ao mesmo tempo é bastante complexo na melodia e na escrita. Mais um bom disco do novíssimo pop brasileiro.

DINGO BELLS
Todo Mundo Vai Mudar
[Independente, 2018]

Sem mais artigos