COCOROSIE
The Adventures of Ghosthorse and Stillborn
[Touch & Go, 2007]

A coragem das irmãs Sierra e Bianca Cassidy não encontra limites. Isto sempre estará a favor delas, e esperaremos ansiosos por novas aventuras sonoras, inusitadas e, por vezes, mais geniais. Não é o caso deste novo disco, The Adventures of Ghosthorse and Stillborn.

Famosas entre os mais modernos após o disco La Maison de Môn Reve, a dupla foi enquadrada no estilo conhecido como Freak Folk; com artistas de música estranha e calma, tais como Devendra Banhart. O Cocorosie surpreenderam com um som lo-fi, um tanto desprentesioso, repleto de equipamentos bizarros, caixinhas de música, som de animais e ópera. Soa como crianças fazendo travessuras com um gravador analógico.

O problema principal desse novo trabalho é a falta de recheio. Mesmo com boas idéias, as canções não se sustentam. “Sunshine” e “Black Poppies”, por exemplo, tem ótimas idéias, novos instrumentos, mas não criam nada de relevante no som da banda. “Werewolf” é a mais interessante do disco. Tem um sentimento de pesar, um poema declamado e uma cadência entre o dançante e o marasmo depressivo.

Com este disco, chegou a hora de pensar se a fórmula das Cocorosie perdeu força e se estagnou, ou as pessoas simplesmente perderam a paciência para um som tão confuso e maravilhoso. [Paulo Floro]

NOTA: 4,0

Sem mais artigos