Baby do Brasil, Alice Caymmi, Zeca Pagodinho e Angela Rô Rô também foram destaque

Música, cinema, teatro, dança, circo, literatura, gastronomia e artes visuais deram o tom no primeiro final de semana da 27ª edição do Festival de Inverno de Garanhuns (FIG), que começou na última quinta (20). O ponto alto da sexta foi o tributo ao cantor e compositor cearense Belchior, homenageado nesta edição do festival. O concerto deixou os fãs em transe e teve participação de Ednardo, Angela Ro Rô, Lirinha, Cida Moreira, Tulipa Ruiz, Isaar, Fernando Catatau, Juvenil Silva, Renata Arruda e Gabi da Pele Preta.

Para uma legião de admiradores, Belchior, falecido em abril, continua vivo. O rapaz latino-americano é considerado um dos grandes letristas da música popular brasileira, pela profundidade de suas composições e por terem uma relação direta com a realidade brasileira.

Entre as músicas presentes no repertório do tributo estavam “Coração Selvagem”, “Alucinação”, “A Palo Seco”, “Apenas um Rapaz Latino-Americano”, “Medo de Avião”, “Velha Roupa Colorida”, “Tudo Outra Vez”, e “Comentários a Respeito de John”, uma espécie de conversa entre Belchior e John Lennon. Destaque para a cantora e atriz paulista Cida Moreira, ao piano, interpretando “Hora do Almoço”, uma das primeiras músicas a projetar Belchior para o resto do Brasil. A paraibana Renata Arruda cantou “Como Nossos Pais”, que ficou nacionalmente famosa através de uma versão arrebatadora de Elis Regina.

Alice Caymmi foi um dos destaques em Garanhuns. Foto: Divulgação/Rodrigo Ramos/Secult-PE

Na noite do sábado, o palco recebeu Alice Caymmi, com um show em que mesclava músicas inéditas com canções do badalado disco “Rainha dos Raios”, lançado em 2014. O álbum elogiado imprime sua versão pop em obras de outros artistas. A cantora vem realizando trabalho com artistas de diversas gerações e referências musicais. Ela tem uma presença explosiva no palco e essa força de Alice também se faz no visual, no cabelo, no figurino, no cenário, na postura no palco, além dos videoclipes selecionados para suas interpretações.

No encerramento da noite de sábado (na verdade, já madrugada de uma fria e frívola Garanhuns), pela primeira no FIG, Baby do Brasil levou ao palco principal o seu show solo “Baby do Brasil Experience”. Ela desfilou sucessos seus em carreira solo e nos Novos Baianos como “Cósmica”, “Telúrica”, “A menina dança” e “Menino do Rio”. A apresentação, com sua nova banda, conta com dois guitarristas. Isso pode significar o início de uma nova fase em sua carreira. Baby é autora de alguns dos sucessos de Pepeu Gomes (seu ex-marido e parceiro dos Novos Baianos), como “Masculino e feminino”, lançado quando a questão de gênero era um tema tabu.

Angela Rô Rô deu show no Som na Rural. Foto: Divulgação/Rodrigo Ramos/Secult-PE

Pelo segundo ano seguido, o Som na Rural – projeto itinerante comandado por Roger de Renor – aporta no Parque Euclides Dourado, porém, com uma estrutura maior que a edição do ano passado. Além de apresentar novos artistas locais, recebeu a cantora carioca Angela Rô Rô, que encerrou o polo neste sábado. O show privilegiou a produção mais recente da cantora e compositora, mas também fez um passeio por sua carreira, relembrando seus sucessos. Com sua voz rouca e potente, ngela Ro Ro foi do blues ao bolero, e de romântico ao rock, sem perder o bom humor, interagindo a cada canção com os presentes.

No domingo, após em substituição a Tom Zé, que por dificuldades administrativas não pode participar do FIG, o cantor Zeca Pagodinho entrou em cena, repleto de energia, transformando o Palco Mestre Dominguinhos numa verdadeira roda de samba. Nem a chuva intimidou o cantor e o público de se divertir numa noite que contou com clássicos, “Fora Temer” e muitos sorrisos. O sambista esbanjou carisma e simpatia em sua apresentação que trouxe músicas como “Deixa a vida me levar”, “Quando a gira girou”, “Ogum”, “Faixa Amarela”, dentre outros.

O FIG segue até o próximo dia 29, totalizando dez dias de programação que contempla as mais diversas linguagens artísticas. Veja a programação completa.

Sem mais artigos