ESCOTEIROS SUPERSTARS
Ben Harper e Dave Mathews Band estrelam festival de música empenhado em aliar sucesso comercial com temas ambientais, como a devastação ecológica
Por Eduardo Carli

“Nós, as civilizações, sabemos que somos mortais”, dizia o poeta Paul Valéry. Hoje podemos ir um passo além e dizer: também os planetas não escapam à lei da mortalidade. E neste século que entra, os esforços pela tentativa de manter viva esta nossa morrível Terra – que, segundo alguns, já está agonizante – vão se tornar cada vez mais constantes.

Assombrados como estamos pelos espectros do aquecimento global, da poluição atmosférica, da escassez de água potável, da necessidade de fontes de energia alternativas ao petróleo e das imensas montanhas de lixo, a paranóia é justificada. Numa era em que um (necessário) alarmismo virou moda, causando discussão em documentários como Uma Verdade Inconveniente ou mesmo na animação da Disney/Pixar Wall-E, pelo menos um dos grandes festivais de música aderiu à onda.

“Entretenimento a favor da sustentabilidade”. O lema do About Us, que aconteceu em Manaus (no dia 26) e em São Paulo (no 28), já explicita a principal originalidade deste festival: mais do que oferecer só um espetáculo musical, ele tinha uma “finalidade verde”: conclamar cada uma das pessoas no platéia a aderirem à militância ecológica.

É a primeira vez que acontece no Brasil algo dessa magnitude: um grande festival de música, com atrações internacionais e nacionais de peso, que não é mera oportunidade de auto-promoção e marketing de mega-empresas do ramo da telefonia, da internet ou das bebidas (como são Tim Festival, Claro Que É Rock, Motomix, Campari Rock, Planeta Terra, Skol Beats e Nokia Trends). Além de oferecer ao público os shows de Ben Harper, Dave Matthews Band, Vanessa da Mata, Seu Jorge, O Rappa (só em Manaus) e NxZero (só em São Paulo), o About Us veio tanto para soar os alarmes quanto para implorar pela união.

A idéia não é nova, claro: imensos festivais beneficientes já fizeram história lá fora. O mais célebre deles talvez seja o Live Aid, de 1986, destinado a remediar a miséria na Etiópia e que contou com dois shows simultâneos: em Londres (para mais de 80.000 pessoas e contanto com Queen, Bowie, U2, The Who etc.) e na Filadélfia, EUA (para quase 100.000 pagantes e a presença ilustre de Madonna, Neil Young, Led Zeppelin,Eric Clapton, Bob Dylan, Jagger e Richards, entre muitos outros).

Mas ele esteve longe de ter sido o único. Outro exemplo grande: George Harrison e Ravi Shankar, em 1971, também organizaram o célebre “The Concert For Bangladesh”, quando 40 mil pessoas foram ao Madison Square Garden ver o ex-beatle acompanhado de Dylan, Clapton e a renca. Já o About Us segue a estrutura do Live Earth.

Que haja controvérsias sobre o valor dessa mescla entre entretenimento e altruísmo, ou dessas lições-de-cidadania transmitidas através das seduções das grandes celebridades, não há dúvida (recomendada, a leitura do instigante artigo de David Rieff no Guardian.). Além disso, é bem provável também que uma larga parcela do público possa ver tamanho bom-mocismo com indiferença ou mesmo desdém. Estamos acostumados a ir a esses grandes festivais com uma mentalidade de que curtição e consumo, tão a cara dos tempos. É surpreendente ver um prodígio da logística e da tecnologia ser montado para, além de entretenimento, fornecer edificantes lições ambientais. O About Us, em meio aos grandes festivais, é como o bom-escoteiro, generoso e bem-intencionado.

O conceito insistentemente martelado para o público, durante o evento, foi a SUSTENTABILIDADE. Em São Paulo, a escolha pela Chácara do Jóquei foi motivada pela possibilidade de um contato íntimo com a natureza. Ao invés de junkie-food americanizada, disponibilizou-se um cardápio capaz de agradar ao mais ferrenho dos vegans: só comida orgânica, integral e sucos naturais. Houve todo um esquema de recolhimento do lixo gerado durante o festival – segundo a organização, os 3,5 mil quilos de lixo sólido já foram triados e estão em processo de reciclagem. Muitas ONGs também marcaram presença – como a Recicleiros, a ONG Arte em Pneus, a Oficina Boracea, e a Inventi Projetos. Além disso, foram feitas campanhas de incentivo a quem fosse ao evento pedalando sua magrela e descontos no estacionamento para quem soube dar carona para várias pessoas. Só faltou entregar uma sementinha a cada pessoa, pedindo que plantássemos uma árvore.

Qto à música, o público de São Paulo, de cerca de 40.000 pessoas, não tem do que reclamar: depois dos shows de abertura de NxZero, Vanessa da Mata e Seu Jorge, Ben Harper e Dave Matthews Band fizeram bonito no palco em dois shows que vão ficar na memória.

[+] LEIA A CRÍTICA DOS SHOWS

Sem mais artigos