O festival CINE PE já tem novas datas definidas. O evento será realizado dos dias 29 de julho a 4 de agosto, no Cinema São Luiz. A novas datas tem relação direta com as mudanças na Lei de Incentivo à Cultura.

Ao total, 892 filmes foram inscritos para as mostras competitivas, número 77,33% maior em relação a 2018, que foi de 503 filmes, seis longas, sendo três na categoria ficção e três na categoria documentário, estarão juntos na Mostra Competitiva de Longas-Metragens, sete títulos na Mostra Competitiva de Curtas-Metragens Pernambucanos e dezenove na Mostra Competitiva de Curtas-Metragens Nacionais.

Dos seis longas nacionais selecionados, estão as ficções “Um e oitenta e seis avos”( RJ) de Felipe Leibold; “Abraço” (BA), de DF Fiuza; e “Teoria do ímpeto” (DF), de Marcelo R. Faria e Rafael Moura; e os documentários “Espero tua (re)volta” (SP), de Eliza Capai; “O corpo é nosso!” (RJ), de Theresa Jessouroun; e “Vidas descartáveis” (RJ), Alexandre Valenti e Alberto Graça.

A curadoria das mostras competitivas do 23º CINE PE está nas mãos de profissionais ligados ao audiovisual. : a consultora e representante comercial da empresa CiaRio/Naymar, Edina Fujii (in memorian), o crítico e programador do circuito Cine Materna, Edu Fernandes, e o crítico e palestrante de cinema Danilo Calazans.

Sobre a linha curatorial, Edu Fernandes explica: “vivemos tempos articulados, com temas urgentes na pauta de discussões. Nossa missão como curadores foi contemplar esses assuntos na programação ao mesmo tempo em que tomamos cuidado para não montar uma grade com filmes muitos parecidos entre si. Por isso, procuramos por vozes diversas e tópicos variados. É também preciso lembrar o valor da contribuição de Edina Fujii, que passou por cima de dificuldades impostas por sua condição física para dar conta de nos ajudar nessa difícil missão de equilibrar os olhares contemplados”.

“Parto sim!” (PE), de Kátia Mesel, que aborda a questão das mulheres que vivem em Fernando de Noronha e têm que deixar a ilha aos sete meses de gestação para realizar o parto no Recife (Foto: Rabixco/ Divulgação)

Na condição Hors Concurs, o festival traz a estréia nacional do documentário “Frei Damião o santo do Nordeste” (PE), da diretora pernambucana Deby Brennand, que conta a história do capuchinho italiano que chegou ao nordeste brasileiro na década de 30 e que por 66 anos se tornou um andarilho em busca da salvação das almas e, também.

A entrada nas sessões é gratuita, desde que mediante a retirada do ingresso na bilheteria.

Sem mais artigos