Novidades desencavadas do cenário pop
Nesta edição, Frame Circus, Los Porongas, XX Teens e Medulla
Por Breno Soares

Foto: Divulgação

Frame Circus
Local: São Paulo – Brasil
Estilo: Experimental
Na internet: anvilfx.com e www.myspace.com/framecircus

Quando você entra no myspace de algumas bandas, a maioria, pelo menos, costuma usar um headline para descrever seu estilo, ou mesmo alguma frase que mostre um pouco da visão artística. Mas quando você entra no myspace da Frame Circus, o internauta se depara com o seguinte headline “Soundtrack for silent movies” (trilha sonora para filmes mudos). O interessante da banda é exatamente isso. A proposta deles é fazer música para filmes mudos, mesmo! E ao vivo.

A banda surgiu quando Paulo Beto convidou Tatá Aeroplano (Jumbo Elektro, Cérebro Eletrônico e Zeroum) e Maurício Fleury (Multiplex e Le Rock Démodé) para juntos criarem trilhas sonoras para curtas mudos. Os filmes são musicados com Paulo Beto e Maurício nas guitarras, teclados e sintetizadores, já o Tatá se utiliza de vocalises e brinquedos. Suas experiências vão de animações a filmes experimentais e produções mudas de Hollywood entre os anos de 1984 e 1934.

Foto: Divulgação

Los Porongas
Loca: Rio Branco/Acre – Brasil
Estilo: Rock
Na internet: Site oficial, Blog e Myspace.

Nascida em Rio Branco, no Acre, há quatro anos e atualmente residindo em São Paulo, a banda Los Porongas, tem sido apontada pela crítica como uma das novas revelações do rock brasileiro. Seu novo CD, homonimo, tem sido muito bem recebido pela crítica especializada, com destaque em veículos como Folha de São Paulo, Estado de Minas, Correio da Bahia, Diário do Nordeste, Diário do Pará, Programa Alto-Falante, entre outros.

Lançado pelo selo Senhor F Discos, o CD foi gravado e produzido por Philippe Seabra (da Plebe Rude), no Estúdio Daybreak, em Brasília, e foi listado entre os 25 melhores discos brasileiros de 2007 na Revista Rolling Stone. Em sua página do myspace a banda mostra-se eclética com suas influências musicais, citando bandas como: Beatles, Radiohead, Kula Shaker Ocean Colour Scene, Moby, Nirvana, Gilberto Gil, Los Hermanos, The Smiths, Oasis, The Yeah, Yeah, Yeahs, Stone Roses, Vanguart, Superguidis, Chico Science e Nação Zumbi. A banda é formada por Diogo Soares (voz), João Eduardo (guitarra), Márcio Magrão (baixo) e Jorge Anzol (bateria).

Foto: Divulgação

XX Teens
Local: Londres, Inglaterra
Estilo: Rock
Na internet: www.goonisland.tv e www.myspace.com/xxteens

A banda XX Teens é formada por cinco londrinos que a pouco lançaram seu disco de estréia, Welcome to Goon Island. O álbum tem 11 músicas produzidas por Sheffield’s Ross Orton, o mesmo produtor de M.I.A., Fat Truckers e Bromheads Jacket.

A banda já foi chamada de absurda, excêntrica, política, experimental, apesar de eles dizerem que não são tantas coisas e que sua proposta é ser simples. Eles que vieram da tradicional escola de arte britânica, têm intenção de de criar uma música interessante e o mais expansível possível, utilizando de todas as ferramentas disponíveis para tal. Sua estética vai de vídeos a fotos, incluindo até cachorros treinados para dançar. Estética que lhes valeram citações empolgadas no programa do Zane da Radio 1 e participação nas faixas de 2007 da revista NME. A banda é formada por Anthony Silvester, Rich Cash, William Morrow, Jorgen Raa, Leo Taylor.

Foto: Divulgação

Medulla
Local: Rio de Janeiro – Brasil
Estilo: Rock
Na internet: www.myspace.com/medullarock ou o orkut e fotolog

A banda tem como vozes os gêmeos recifenses Keops e Raoni. Ainda pequenos mudaram-se para São Paulo, depois Rio de Janeiro, voltaram para Recife e por fim Rio de Janeiro novamente, onde formaram algumas bandas até chegarem a fórmula do Medulla, que passou a ser completa com a participação do Dudu Valle, Alan Lopes, Daniel Martins e o Rodrigo Silva.

Eles fazem um rock que dizem ser influenciado pelo espírito de todas essas cidades pelas quais passaram. Seu primeiro disco de 10 canções, chama-se O Fim Da Trégua e foi gravado entre Rio de São Paulo. Nesse disco a única faixa não autoral da dupla foi a “O Velho”, de autoria de Chico Buarque e que, nesse disco, ganhou um som oitentista.

Os shows em que apresentaram seu primeiro trabalho foram elogiados com importantes apresentações em festivais como o Abril Pró-Rock. Hoje eles estão em processo de produção de material para o segundo disco que será disponibilizado gratuitamente na rede.

Sem mais artigos